Instituto Afrolatinas

Instituto Afrolatinas

O Instituto Afrolatinas é uma organização de mulheres negras, que desenvolve ações transversais, a partir do lugar das artes, da cultura e da educomunicação. Uma plataforma de formação, aceleração, inovação, tecnologia e impacto social, que se utiliza de metodologias disruptivas para atuas nos temas do empreendedorismo; geração de renda; produção, gestão cultural, políticas públicas e empoderamento, especialmente, de mulheres e meninas negras.

Atuamos para articular e fortalecer diferentes saberes: nas artes, na academia, na rua, em casa, na escola, no chão de fábrica, na comunicação, nos movimentos sociais, nos legados ancestrais… na diversidade infinita das nossas potências e possibilidades de produção de conhecimento.

Acreditamos no papel cidadão, político, econômico, inclusivo e inventivo das artes e da cultura, diante das transformações que o mundo necessita. Trabalhamos por equidade e para promover mudanças e fortalecer trajetórias, projetos e negócios de grupos historicamente vulnerabilizados, sobretudo da cadeia produtiva da cultura

Quem somos?

Aline Maia

Socióloga pela Universidade de Brasília (UnB); mestre em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e doutoranda em Antropologia pelo Museu Nacional (UFRJ). É integrante do Coletivo Negro Marlene Cunha e coordenadora do Programa de Direito à Vida e Segurança Pública do Observatório de Favelas. Seus interesses de pesquisa e atuação têm se concentrado nas questões relativas a: segurança pública; Direitos Humanos; Gênero e Raça.

Anne Caroline Quiangala

Idealizadora do Preta, Nerd & Burning Hell uma das poucas fãs da série Birds of Prey, que só tem itens da DC, mas é marvete. Escritora e roteirista de quadrinhos no Almanaque Gótico, uma revista independente produzida por um grupo de amigos distintos lá na minha terra: Espírito Santo. Mestra em literatura pela Universidade de Brasília (2017), e pesquisadora em áreas como Gótico Feminino, Representação de Mulheres Negras nos Quadrinhos e Feminismo Nerd.

Bruna Cristina Jaquetto Pereira

Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília, é especialista nas temáticas de gênero, raça e interseccionalidade. É autora do livro "Tramas e dramas de gênero e de cor: a violência doméstica contra mulheres negras" (Brado Negro, 2016). Entre 2015 e 2017, foi Coordenadora de Atividades Formativas do Latinidades. Hoje, atua como consultora internacional no Equipo FREE e é uma membra orgulhosa do Instituto Afrolatinas.

Dalva Santos

É gestora em Inovação Social e Cultura e fundadora da Ubuntu Cuidadoria empresa do setor 2.5 cuja vocação é promover inovação social a serviço da equidade. Mestra em Sociologia pela Unicamp, Bacharel em Produação Cultural pela UFF e especialista na Gestão em Inovação Social pelo Amani Institute. Em 15 anos de atuação profissional, reúne experiências junto à Coalizão Negra por Direitos, Programa Território Criativo da Secretaria Estadual de Cultura do DF, Programa Incubadoras Brasil Criativo do (ex) Ministério da Cultura, Programa Solos Culturais do Observatório de Favelas, Projeto Participatório – Observatório Participativo da Juventude em parceria com a UFRJ e Secretraria Nacional da Juventude, Programa Criado em Sampa em parceria com o British Council e Agência de Desenvolvimento de São Paulo entre outros.

Débora Carvalho

Débora Carvalho, mais conhecida como DJ Donna tem 20 anos de carreira como DJ, é ganhadora do Prêmio WME (Womans Music Event Awards) 2018. também foi Curadora do Palco Radiofusão de Arte Urbana dentro do Festival Satélite 061 – 24h no Ar, em 2018 representou o Festival Satélite 061 no Festival Mapas Mercado Cultural em Tenerife - Espanha e Idealizadora do Festival Conexões Urbanas Impressões Femininas na Cultura de Rua o qual representou no Festival AME (Atlantic Music Expo) em Cabo Verde África. DJ residente do Festival Latinidades agora também compõem o Instituto Afrolatinas.

Jaqueline Fernandes

Fundadora do Instituto Afrolatinas e do Festival Latinidades. Jornalista, pesquisadora, produtora e gestora cultural. Especialista em comunicação estratégica, em gestão de políticas públicas culturais e de gênero e raça. Especializanda em Estudos Afro-Latino Americanos e Caribenhos. De 2015 a 2016 foi Subsecretária de Cidadania e Diversidade Cultural, na Secretaria de Cultura do Distrito Federal, onde desenvolveu políticas, programas e projetos estratégicos voltados para a proteção e promoção da cidadania e da diversidade das expressões culturais, tendo como foco grupos historicamente excluídos e em situação de vulnerabilidade.

Lorena Monique – Neggata

Natural de Brasília, Monique é uma pesquisadora formada em Ciências Sociais na UnB e Criadora de Conteúdo Digital. Desde 2014 produz vídeos para seu canal no youtube com temas que abordam negritude, ativismo e comportamento, assumindo assim, novas narrativas para a comunidade negra no mundo. Neggata é um alter ego, ou seja, puro empoderamento feminino negro! Em 2014, destacou-se nas mídias brasileiras e internacionais com o projeto fotográfico intitulado #AhBrancoDaUmTempo, série que denuncia o racismo dentro de uma das maiores universidades do Brasil (UNB). Em 2016, foi agraciada pela secretaria de ações afirmativas com o Prêmio Antonieta de Barros – Jovens Comunicadores Negros e Negras. Em 2019, desenvolveu e fez parte do projeto "Afroricas" que visava impactar mulher negras no mercado de trabalho e no desenvolvimento pessoal, arrecadando 40 mil reais em um match funding."

Ludymilla Chagas

23 anos, carioca, produtora cultural e tradutora. Bacharel em Relações Internacionais, pesquisa sobre Direitos Humanos, sobretudo direitos da juventude favelada e preta. É especialista em gestão de projetos e assessoramento artístico.

Moara Ribeiro

Moara é cantora, compositora e correria, taurina em cada detalhe. Idealizadora e coordenadora geral da Reverbera, plataforma de mulheres nas artes; Coordenadora de comunicação digital do Festival Latinidades e de grandes eventos, como a exposição “100 Anos de Athos Bulcão” na qual foi coordenadora de comunicação digital durante a circulação completa (CCBBs de Brasília, RJ, SP e BH). Em 2018 lançou "Peito Aberto", seu EP de estreia, indicado no mesmo ano pela Folha de São Paulo na categoria “discos de MPB” ao lado de nomes como Elza Soares e Gal Costa. E, no ano seguinte, o EP "Do começo ao fim?" indicado pelo portal Multi Modo como um dos 20 melhores eps de 2019. Com pouco mais de 2 anos desde seu primeiro trabalho lançado, Moara já se apresentou em festivais como, Sonora Soma, COMA, SIM São Paulo, Latinidades, Móveis Convida, PicNik, Fico em Casa BR, LIFA Brasil, entre outros.

Uila Cardoso

Psicóloga formada pelo Universidade de Brasília com atuação na clínica das relações raciais. Integrante do Instituto Afrolatinas e da Articulação Nacional de Psicólogas (os) e Pesquisadoras (es) Negras (os) - Núcleo DF.

Wemmia Anita

Sócia- fundadora do RAIX, marca de vestuário que busca valorizar a cultura periférica do DF. Liderança apoiada pelo Fundo Baobá. Promove a Feira de Quebrada, tem uma loja colaborativa localizada no Jovem de Expressão, trabalhando como conectora de empreendimentos que têm o mesmo propósito. Compõe a Rede Urbana de Ações Sócio culturais-RUAS, em paralelo ao trabalho de Assistente social na área de direitos humanos com foco na criança e juventude.