Programação Latinidades

Clique no + para expandir a programação que está distribuída por dia e horário. Para saber mais sobre ela, basta clicar na atividade desejada e você pode aproveitar para salvar a atividade em sua agenda virtual.

Programação principal

10:00 . 12:00 Abertura: Papo de Futuro

Abertura: Papo de Futuro

22/07/2020 10:00 - 12:00
+ Google Agenda   + Outlook

O papo de Futuro é uma troca de ideais com 5 crianças pretas cariocas, com idade de 9 a 11 anos. Queremos saber, por meio dessa conversa livre, quais as suas expectativas para o futuro e o que estão fazendo no presente. Uma conversa boa, para ampliarmos os nossos horizontes, sonhos e utopias. Pela primeira vez em treze anos, teremos a honra de abrir o festival com uma conversa entre crianças. O objetivo é ter uma troca real e espontânea. Queremos saber quais os seus sonhos, anseios e suas visões para o futuro.

Essa atividade marca um espaço que vem sendo construído ao longo das últimas edições do Festival Latinidades. Cada vez mais, buscamos estabelecer um processo formativo baseado na horizontalidade. E nesse exercício, é fundamental o reconhecimento da infância enquanto categoria social; e das crianças negras como sujeitos históricos de direito, produtoras de cultura e de conhecimento.

Participantes: 

  • Márcio Jr. – estudante, palestrante e empreendedor. Dono da MJ Bricks, empresa de acessórios divertidos. Márcio dá palestras em empresas e escolas. Seu lema é: Menino Preto Pode
  • Elis Mc. – criança, cantora, modelo, dançarina e rimadora. Já viajou o Brasil com a sua arte e hoje é força nas redes sociais. Elis tem 4 singles autorais e 4 clipes produzidos.
  • Layza Griot – jongueira, atriz e  modelo. Layza já fez peças teatrais, participou de musicais e é o futuro do Jongo no Brasil.
  • Vitória Cunha-  bailarina, dubladora e modelo. Vitória é super ativa. Dança desde bem pequena. Tem uma rotina super ativa e é dançarina da Crespinhos Dança.
  • Gabriel – dançarino. Gabriel é super dedicado a dança. Se tornou ícone no Bailinho da Crespinhos com suas fantasias ousadas. Gabriel dança na Crespinhos Dança e manda bem no Charme.

Mediadora:
Renata Morais – produtora, mãe e sonhadora. De frente na Crespinhos S.A e RM Produções. Produz o Bailinho da Crespinhos desde 2015.

Atividade realizada em parceria com a Crespinhos S.A (RJ)*

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

15:00 . 17:00 Mesa: Arte, utopia e criatividade

Mesa: Arte, utopia e criatividade

22/07/2020 15:00 - 17:00
+ Google Agenda   + Outlook

Mesa: Arte, utopia e criatividadeNós, trabalhadoras negras da cultura, produzimos enquanto carregamos subjetividades e marcadores sociais que nos impactam brutalmente. Ainda assim, temos uma capacidade extraordinária de inspirar, mover mundos e materializar transformações. Nossas criações e fazeres incidem sobre caminhos, futuros e realidades. Sempre tivemos papeis fundamentais na luta. Esse front nos move e, ao mesmo tempo, esgota. Precisamos também de espaços de cura, troca e alimentação da nossa criatividade. Então, essa mesa será uma conversa com realizadoras e criadoras negras sobre utopias, subjetividades e processos criativos. Um espaço para falar dos nossos sonhos, desejos, utopias e inventividades.

 

Participantes:

Elisa Lucinda (ES)

Elisa Lucinda, poetisa, jornalista, cantora, arte-educadora e atriz. Idealizadora e fundadora da Casa Poema, ela tem mais de uma dezena de livros publicados. Uma das maiores responsáveis pela popularização da poesia no Brasil.

Giovanna Heliodoro (MG)

Historiadora, comunicadora, afrotransfeminista, produtora do Festival TransViva!, Colunista do Influência Negra e Social Media. Integra ao EQUI articulando ações acerca da inclusão de diversidade no mercado de trabalho. É produtora de conteúdo do perfis Trans Preta e uma das autoras do livro Raízes – Resistência Histórica.

Bixarte (PB)

Cantora, compositora, poetisa e rapper são faces da arte que a Bixarte explora. Ela é Bicampeã do Slam estadual da Paraíba e finalista do Slam Brasil. Aos 18 anos, lançou seu primeiro trabalho musical chamado “Revolução”; e aos 19 sua mixtape “Faces”; e “Faces Remix”. Bixarte canta e recita sobre o que vive e também sobre a urgência defalar sobre corpos invisibilizados.

Gabriela Loran (RJ)

Gabriela Loran é atriz, modelo, palestrante, Youtuber, influenciadora Digital, Futura Psicóloga e uma mulher inspiradora. Foi a primeira atriz trans a viver uma personagem trans na novela “Malhação” da emissora Globo, e teve a oportunidade de viver diversas personagens na TV e no Cinema. Já apresentou seu TEDx talks e tem um canal no YouTube onde fala sobre sua vida enquanto mulher trans. Lançou uma coleção na “Farm” no mês do orgulho LGBT, onde teve seus poemas estampados nas peças. Além disso apresentou seu Oráculo no Fórum de Igualdade Racial para o IDBR. Gabriela vem usando suas redes sociais para trazer mais humanidade a comunidade TRANS. Uma porta voz do momento  de mulheres trans.

Mediadora: Val Benvindo (SSA)

Empresária, produtora, jornalista, comunicóloga, vodunsi

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube  Afrolatinas

17:00 . 19:00 Wakandas reais

Wakandas reais

22/07/2020 17:00 - 19:00
+ Google Agenda   + Outlook

“Racismo, remido, prescrito é saber da história
Reviver as ações, atualizar nossas glórias
Desamarrar os encostos do princípio do vício
Arriar aos preceitos primeiros do compromisso
Não desviar da reta, do fim, as vozes do início”
GOG e Nelson Maca

Chegamos até aqui porque as e os que vieram antes não abriram mão daquilo que parecia inalcançável, diante da barbárie: permanecer livres, construir e ocupar outros lugares, além dos que foram predeterminados pelo patriarcado e pelo racismo colonial sistêmico. São inúmeros os exemplos de lutas, resistência e vitórias: exemplos reais em África e diáspora não nos faltam. Como o legado e as memórias das nossas Wakandas reais podem nos alimentar e reorientar à ação agora?

Participantes:

Shaina – She Builds Initiative (Haiti)

Arquiteta de ecossistemas, fundadora da Iniciativa Global #SHE_BUILDS

Shaina Silva é uma empreendedora premiada, arquiteta de ecossistemas e estrategista de transformação digital. Defensora feroz das mulheres que lideram a Nova Economia, ela fundou a #SHE_BUILDS Global Initiative (ELA CONSTRÓI Iniciativa Global) – uma plataforma internacional que existe para acelerar o progresso social, econômico e ambiental do Haiti, proporcionando à mulheres empresárias, inovadoras e criadoras de mudanças as ferramentas para escalar seu impacto. Hoje, a plataforma possui uma rede que se estende ao longo de 20 cidades em 4 continentes e utiliza a tecnologia para conectar e investir em mulheres líderes que estão moldando o futuro do Haiti. Além de seu impacto no país de origem, a carreira de Shaïna também se concentrou na construção de ecossistemas de inovação em mercados emergentes na África, Sudeste Asiático, América Latina e Caribe, trabalhando ao lado do governo e do setor privado para liderar a transformação digital em setores como Energia, Transporte, Saúde, Alimentação e Agricultura, Educação e Finanças. Atualmente, ela trabalha em soluções de realidade aumentada e virtual para o Facebook Oculus, permitindo que as empresas aproveitem o poder dos ambientes virtuais para criar experiências imersivas que aprofundam a conexão, a comunicação, a educação e a colaboração.

Tonika Sealy Thompson (Barbados)

Tonika Sealy-Thompson é Embaixadora de Barbados no Brasil desde 1º de novembro de 2018.

A Embaixadora Sealy-Thompson tem mais de quinze anos de experiência profissional em comércio, exportação e desenvolvimento cultural abrangendo os países Caribenhos que falam inglês, francês e espanhol. Também estudou, morou e trabalhou na Ásia, África e Europa.

Possui honras duplas da Universidade de Manchester, um MBA da Hult International Business School e do Shangai Institute of Foreign Trade, e Mestrado em Estudos de Performance com Certificado em Humanidades Urbanas Globais da Universidade da Califórnia, Berkeley.

Além de trabalhar com várias organizações públicas, privadas e ONG,  por mais de 10 anos em capacidades distintas de liderança, tem sido diretora de festivais e coordenadora artística para eventos culturais internacionais.

Era coordenadora artística do 2º Festival Cultural Africano, Caribenho e do Pacífico, com curador senegalês, diretora do festival N’Gone Fall no Secretariado Grupo de Estados Africanos, Caribenhos e do Pacífico, e fundou o Fish & Dragon Festival (“Festival do Peixe & Dragão) em Barbados, uma plataforma para intercâmbio cultural interpessoal, entre Barbados e China que celebrou sua quinta edição no ano passado. A Embaixadora Sealy-Thompson, ademais, tem paixão por desenvolvimento educacional e trabalhou desenhando programas de curta duração para diversas audiências na Singapore Management University e na UC, Berkeley.

Sealy-Thompson foi premiada com o Prêmio Michael Mansfield-Randy para Justiça Social e Excelência Artística na UC Berkeley por seu trabalho no desenvolvimento de programas de treinamento anti-racista em diferentes campi para a universidade.

Embaixadora Sealy-Thompson fala, com fluência, Português, Espanhol, Francês e Inglês.

Aponto Té (Guiné Bissau)

Júlio António Aponto Te, Bacharel e Licenciado em Letras UNESP -Araraquara, Mestre em Sociólogo e Antropologia na UNESP de Marília,   Assistente e Chefe de Gabinete do Consulado Honorário da Guiné-Bissau em São Paulo, Presidente da Câmara Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços Brasil Guiné-Bissau, Diretor dos Negócios Internacionais para África no Instituto Brasileiro de Comércio Exterior, Diretor do Departamento de Relações Internacionais da Associação dos Empresários Afro-Brasileiros de Estado Goiás,  CEO- African Fashion Week-Brazil,  Diretor do Projeto Guiné-Bissau Além Fronteiras,  Representante e Promotor Cultural do Ministério da Cultura da Guiné-Bissau, Diretor do Programa Africanidade da Rádio UFScar (Universidade Federal de São Carlos), Representante da Rede Nacional das Associações Juvenis no Brasil (RENAJ-GB) e Produtor Internacional Cultural.

Seble Teklemariam  (Etiópia)

Segunda secretária e representante do serviço consular na Embaixada da República Democrática Federal da Etiópia na República Federativa do Brasil.

Kanvula Dudu (DF)
Kanvula Dudu é escritor, poeta, compositor e professor na Secretaria de Educação do Distrito Federal. Mantém estudos sobre a história do continente africano e pesquisa a respeito das estratégias de insurreição das comunidades negras na diáspora. Educador no projeto ErÊ:Ubuntu, leva a arte africana para as crianças a partir do estudo das máscaras étnicas e brincadeiras do continente. Pratica e estuda a capoeira angola e é pai de Ioná Rosa.

Mediação: Aline Maia – (DF/RJ)

Socióloga, mestre e doutoran

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

19:00 . 20:30 Filme longa-metragem: “Um Dia com Jerusa" - Brasil

Filme longa-metragem: “Um Dia com Jerusa" - Brasil

22/07/2020 19:00 - 20:30
+ Google Agenda   + Outlook

Sinopse:

“Um Dia com Jerusa” conta o encontro da sensitiva Silvia, uma jovem pesquisadora de mercado que enfrenta as agruras do subemprego enquanto aguarda o resultado de um concurso público, e da graciosa Jerusa, uma senhora de 77 anos, testemunha ocular do cotidiano vivido no bairro do Bixiga, recheado de memórias ancestrais. No dia do aniversário de Jerusa, enquanto espera sua família para comemorar, o encontro entre suas memórias e a mediunidade de Silvia lhes proporciona transitar por tempos e realidades comuns às suas ancestralidades.

Biografia da diretora:

Viviane Ferreira é cineasta formada pela Escola de Cinema e Instituto Stanislavisky e advogada com atuação voltada para direitos autorais, cultural e direito público. É diretora dos documentários: Dê sua ideia, debata; Festa da Mãe Negra; e Marcha Noturna. Dos videoclipes: Amor ao Rap, de Amanda Negrasim; Carroceiro, de Marquinho Dikuã; D’Origem Africana, do grupo D’Origem; e Amigo também pode, de Ualdo Nascimento. Na ficção inicia com o curta experimental “Mumbi 7 Cenas pós Burkina” estrelado por Maria Gal. Com um olhar cinematográfico referenciado no cinema de Glauber Rocha, Zózimo Bulbul e Joelzito Araújo, Viviane Ferreira se torna a segunda mulher negra a dirigir individualmente um longa-metragem de ficção no cinema brasileiro, com “Um Dia com Jerusa”, adaptação de seu premiado curta-metragem “O Dia de Jerusa”.

Onde acessar: Canal Odun Filmes (Vímeo)

20:30 . 21:00 Espetáculo: Dança moderna "O segredo dos meus sonhos" (Colômbia)

Espetáculo: Dança moderna "O segredo dos meus sonhos" (Colômbia)

22/07/2020 20:30 - 21:00
+ Google Agenda   + Outlook

A Colômbia nos brinda nesta edição com uma programação especial, envolvendo artes cênicas, cinema e poesia – parceria entre a Oxfam Brasil, Oxfam Colômbia e Afrolatinas.

“El Secreto de mis sueños” é uma obra de dança que aborda a discriminação da mulher negra, por sua dupla condição de gênero e raça.

Dançarina e criadora: Shirly Caicedo Pacheco

Duração: 22 minutos

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

21:00 . 21:30 Performance: "Meu corpo e minha voz aliados à minha dignidade -homenagem a Paula" (Colômbia)

Performance: "Meu corpo e minha voz aliados à minha dignidade -homenagem a Paula" (Colômbia)

22/07/2020 21:00 - 21:30
+ Google Agenda   + Outlook

Performance criada pelo Movimiento social de Mujeres de Cartagena y Bolívar, e interpretada por Yahndra Iriarte.  Esta é mais uma atividade em parceria com a Oxfam Brasil e Oxfam Colômbia.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

21:00 . 21:30 Pocket Show: Letícia Fialho (DF)

Pocket Show: Letícia Fialho (DF)

22/07/2020 21:00 - 21:30
+ Google Agenda   + Outlook

Leticia FialhoLetícia Fialho é compositora, cantora e instrumentista, natural do Distrito Federal. Guiada pela ancestralidade e atravessada pela vivência quente dos subúrbios, pela magia boêmia das ruas e madrugadas, pelo gosto por soltar pipa e pela tendência a ralar joelhos, Letícia tece suas canções unindo palavra e música pela linha fina da sensibilidade. Com três discos inteiramente autorais, é dona de uma trajetória consistente enquanto compositora, instrumentista e cantora, arranjando, concebendo e dirigindo cada trabalho seu. Uma das autênticas representantes do talento de mulheres pretas da capital do Brasil, que encerra a programação do primeiro dia dedicado às Utopias Negras, no Latinidades 2020.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

10:00 . 12:00 Eleições 2020: o debate que queremos

Eleições 2020: o debate que queremos

23/07/2020 10:00 - 12:00
+ Google Agenda   + Outlook

As eleições 2020 não poderiam ficar fora do nosso radar de utopias negras. A Oxfam Brasil, em parceria com o Instituto Afrolatinas, vai realizar um debate eleitoral, apenas com candidatas negras a vereadoras, que apresentarão as suas plataformas e horizontes de futuro. A definição das componentes da mesa será feita a partir de uma chamada pública, que levará em conta critérios como diversidade partidária, faixa etária, região e orientação sexual. As perguntas formuladas previamente serão apresentadas pela coordenadora do debate e por algumas mulheres que estarão na plateia virtual.

Mediadora: Tauá Lourenço Pires

Historiadora formada pela Universidade Federal de Pernambuco, Especialista em Gestão de Políticas Públicas de Gênero e Raça pela Universidade de Brasília. Coordenadora da Área de Juventudes, Gênero e Raça da Oxfam Brasil.

Atividade realizada em parceria com a Oxfam Brasil

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

15:00 . 18:00 Diálogos sobre comicidade

Diálogos sobre comicidade

23/07/2020 15:00 - 18:00
+ Google Agenda   + Outlook

Diálogos sobre ComicidadeA artista e pesquisadora Ana Luiza Bellacosta tem dedicado alguns bons anos a uma pesquisa profunda sobre a comicidade e a questão racial nas artes. A convite do Festival Latinidades, ela irá compartilhar sua pesquisa e liderar  dois diálogos com profissionais das áreas da palhaçaria, cultura popular e stand up comedy, para  discutir como rever conceitos e aprofundar o debate de gênero e raça no fazer do humor. A proposta é ressignificar a expressão pejorativa do que se conhece como Humor Negro.

1º diálogo: Comicidade negra – a história não contada nas universidades e academias. O protagonismo e a representatividade negra em festivais de circo e teatro. Convidada: Cibele Mateus – pioneira, atriz, pesquisadora da cultura popular e comicidade negra.

2º diálogo: Racismo recreativo: O que é? Como identificá-lo? Como podemos percebê-lo e combatê-lo nas linguagens da palhaçaria e comicidade?  Convidado: Edson Duavy – ator e  comediante brasiliense.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

18:00 . 21:00 Pré-Ella: programação de lançamento do Encontro Latino Americano de Feminismo

Pré-Ella: programação de lançamento do Encontro Latino Americano de Feminismo

23/07/2020 18:00 - 21:00
+ Google Agenda   + Outlook

Atividade realizada pela Mídia Ninja

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

21:00 . 21:30 Apresentação Artística Sarau Musicado (Colômbia)

Apresentação Artística Sarau Musicado (Colômbia)

23/07/2020 21:00 - 21:30
+ Google Agenda   + Outlook

Lorena Torres Herrera
Poesia:
“Ode ao meu negrito” e “sempre presente”

Dionicia Moreno Aguirre:
Poesia: “o perfume da noite”

Mary Grueso Romero
Poesia: “preto eu sou”

Jenny Sofía rodríguez
Poesia: “a força da minha raça”

 

Trilha sonora:

Saulfo Arroyo Ahon: percussão e voz

Juan Manuel Arroyo Ahon: percussão

Iván Hurtado: percussionista, coros

Felix Ramos Angulo: marimbero e voz

 

Tempo estimado: 25 minutos

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube Afrolatinas

10:00 . 12:00 Mesa: Jovens Mulheres e Travestis Negras e Direito á Cidade

Mesa: Jovens Mulheres e Travestis Negras e Direito á Cidade

24/07/2020 10:00 - 12:00
+ Google Agenda   + Outlook

A mesa Jovens Mulheres Negras e Direito à Cidade, abordará a atual conjuntura vivida pela juventude negra e periférica de quatro metrópoles brasileiras: Distrito Federal e entorno, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. A mesa acontecerá em parceria com o projeto Juventudes nas Cidades.

Juventudes nas Cidades é uma ação conjunta envolvendo sete organizações da sociedade civil (Oxfam Brasil, Ação Educativa, Inesc, Criola, Fase, Ibase e Instituto Polis) com o intuito de contribuir para o enfrentamento das desigualdades no espaço urbano, promover os direitos das juventudes e fortalecer a capacidade de jovens e coletivos de periferias urbanas e favelas de exercer seu “Direito à Cidade” e identificar alternativas de inclusão econômica.

Também será lançada a Revista “Juventudes nas Cidades”, fruto das reflexões trazidas pelos jovens dessas quatro metrópoles. Para a construção, fez-se necessário ouvir as juventudes, principalmente negra e periférica, para renovar as utopias e reinventar as formas de mobilização social. Uma experiência de aprendizado que entende as juventudes em sua pluralidade, como potência transformadora para uma sociedade melhor, mais justa e igualitária, além de força motriz para o enfrentamento das desigualdades estruturais em nosso país.

Participantes

Distrito Federal: Eulla Brennequer dos Santos Alves

Recife: Julliane do Carmo Alves do Monte

Rio de Janeiro: Ingrid Camargo

São Paulo: Bruna Vieira dos Santos

Mediação: Negra Eve (DF)

Atividade realizada pelo Inesc, em parceria com Oxfam Brasil, ONG Criola, Ação Educativa, Instituto Pólis e Ibase*

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

13:00 . 14:00 Filme Curtametragem: "Mi Muñeca"

Filme Curtametragem: "Mi Muñeca"

24/07/2020 13:00 - 14:00
+ Google Agenda   + Outlook

Mi Muneca

O curta metragem “Mi muñeca” aborda o drama da exploração sexual no interior de uma casa. Dirigido por Manuel Díaz Polo, com produção de Patricia Ruiz Acero y Jhon Narváez Escudero e atuação de Karent Hinestroza, Tao Sierra y Raiza Ramírez. A exibição tem curadoria da Oxfam Colômbia.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

15:00 . 17:00 A utopia da paz: políticas de drogas e agenda antirracista

A utopia da paz: políticas de drogas e agenda antirracista

24/07/2020 15:00 - 17:00
+ Google Agenda   + Outlook

“O Brasil nunca lidou bem com seu passado colonial. Depois da Abolição formal da escravidão, uma imensa massa de pessoas ex-escravizadas se distribui na paisagem das cidades, entre as camadas mais empobrecidas da população. Sedimenta-se assim a associação entre cor da pele e pobreza, bem como o contraponto entre civilizados e selvagens.

Um percurso que nos  permite entender uma série de coisas sobre o Brasil de hoje, inclusive como o racismo entranhado numa política aparentemente correta de guerra às drogas, organiza um conjunto de instrumentos sistêmicos e define processos de escolher quem vive e quem morre.

É preciso de espaço e poder para produzir raça. A raça como espaço do corpo que pode ser violentado, como no caso da criminalização de relações sociais em territórios periféricos inteiros. E da legitimidade do uso prioritário da violência monopolizada pelo Estado. Um conjunto de leis e práticas que, ao pretender segurança social, produz desigualdade e reforça mecanismos que resultam no encurtamento das vidas negras, em curso há séculos  no Brasil.”

(Iniciativa Negra, 2018, documentos interno)

Participantes:

Juliana Borges – escritora e pesquisa política criminal. Consultora do Núcleo de Enfrentamento, Combate e Memória da Violência da OAB-SP. Foi Secretária Adjunta de Políticas para as Mulheres e assessora especial da Secretaria do Governo Municipal da Prefeitura de São Paulo. Autora de “Encarceramento em massa” (Selo Sueli Carneiro/Pólen Livros).

Nathália Oliveira é bacharela em Ciências Sociais. Atuou em diversos projetos de direitos humanos em pautas relacionadas a política de drogas desde 2011, passando por organizações, como a ONG Centro de Convivência É de Lei; Instituto Terra Trabalho e Cidadania;  Plataforma Brasileira de Política de Drogas; presidência do COMUDA -SP (Conselho Municipal de Política de álcool e drogas de São Paulo 2016-2019; “Drogas Reduzir Danos”, dentre outros. Em 2015 fundou a Iniciativa Negra por uma Nova Política Sobre Drogas junto com Dudu Ribeiro, e divide a coordenação com o mesmo até o presente momento.

Dudu Ribeiro – licenciado em História, especialista em Gestão Estratégica de Políticas Públicas e Mestrando do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. Coordenador do Projeto Iniciativa Negra por Uma Nova Política sobre drogas. Foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia (2014/2015), membro do Conselho Estadual de Juventude do Estado da Bahia (Gestão 2014-2016), ocupando a vice-presidência pela sociedade civil; membro do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas do Estado da Bahia (gestão 2014-2016); membro do Grupo de Trabalho sobre Drogas do Conselho Nacional de Juventude (2015/2017); membro da Rede Latino Americana e do Caribe de Pessoas que Usam Drogas (LANPUD).

Preto Zézé – Presidente Global da Central Única das Favelas – CUFA.

Ex-lavador de carro nas ruas de Fortaleza, rapper, empresario, produtor cultural, repórter no Quadro Talentos da Comunidade na TV Verdes Mares/afiliada da Rede Globo no Ceará, escritor, autor dos livros A Selva da Pedra : a Fortaleza Noiada ( 2014) e Das Quadras Para o Mundo (2019), consultor em planos de de oportunidades para governos e empresas. Preto Zeze tambem é CEO e fundador do Lis – Laboratório de inovação social. Ativista de uma agenda positiva nas favelas para transformar o estigma em carisma as dificuldades em oportunidades.

Especialista em planejamento e agendas comuns Mestre em sobrevivência nas Quadras, Doutor nas ruas do Brasil e Pós doutor em conexões de potências e

compartilhamento de oportunidades.

Mediação

Cecília Olliveira

Jornalista graduada em Criminalidade e Segurança Pública e em Administração Pública. Colunista no Intercept Brasil e criadora da plataforma de dados sobre violência aramada Fogo Cruzado.

Esta mesa é uma realização da Iniciativa Negra por Uma Nova Política Sobre Drogas e Plataforma Brasileira de Política de Drogas

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

17:00 . 19:00 Construções e coalizões do agora

Construções e coalizões do agora

24/07/2020 17:00 - 19:00
+ Google Agenda   + Outlook

Contruções e Coalizões do AgoraNão é de hoje que trabalhamos de forma articulada e em rede, em oposição às investidas do racismo estrutural contra os nossos corpos e mentes. Ao contrário do que a branquitude ainda insiste em sustentar, os movimentos negros e indígenas são exemplarmente sofisticados e organizados em sua pluralidade de vozes, atuações e incidências. Desde sempre, estamos construindo o futuro, enquanto reagirmos às violências cotidianas e buscamos saídas coletivas para a crise civilizatória e o fracasso do modelo de sociedade que o homem branco criou. A mesa vai apresentar algumas das principais coalizões brasileiras criadas nos últimos anos para pautar direitos para a população negra. Nessa mesma linha, não poderíamos deixar de dialogar com nossas e nossos irmãos indígenas.

Participantes:

Mônica Oliveira – Coalizão Negra por Direitos

Mônica Oliveira. Formada em Comunicação Social pela Universidade Católica de Pernambuco. Coordenadora da Rede de Mulheres Negras de Pernambuco. Assessora Parlamentar das Juntas Co-Deputadas (PSOL-PE). Atuou como Educadora na FASE Pernambuco. Foi Diretora de Programas da Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República  (SEPPIR-PR). Foi Oficial de Programas de Oxfam Grã-Bretanha, com a incumbência de colaborar para a incorporação da perspectiva racial no Programa Urbano do Brasil. Atuou como gestora de projetos sociais em organizações da sociedade civil no campo da Educação Popular. É consultora para Desenvolvimento Institucional e Relações Étnicorraciais, com foco especialmente em Identificação e Abordagem do Racismo Instituciona

Ingrid Faria (PE) – Renfa: Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas Ingrid Farias, liderança Negra do Programa de Aceleração Marielle Franco, Pesquisadora do Observatório Feminista do Nordeste, ativista da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas

Fernanda Ribeiro (SP)  – Coalizão Éditodos

Fernanda Ribeiro é Presidente da Associação AfroBusiness e co-fundadora/CCO da Conta Black. Dedica-se ao desenvolvimento de ações e programas para fomento da diversidade, inclusão econômica e social relacionados às temáticas de gênero e étnico-raciais, com ênfase em empreendedorismo e finanças. Curadora dos programas Startup A e E-commerce Social. Finalista do Prêmio Mulheres Tech in Sampa. Vencedora do Prêmio Empregueafro Talento da Diversidade e Prêmio CITI Jovens Empreendedores na categoria Organização Social Mais Transformadora.  Reconhecida  na lista dos 50 profissionais Hustlers a serem seguidos segundo a Gama Academy. Fellow IVLP – Internacional Visitor Leadership Program promovido pelo Departamento de Estado Americano. Formada em turismo e pós graduada na área de comunicação corporativa. Atuou em empresas multinacionais nas áreas de qualidade, e-commerce, experiência do cliente, treinamento e comunicação interna.

Célia Xkriabá – Apib: Articulação dos Povos Indígenas do Brasil

Célia Xakriabá do povo Xakriabá é do movimento Indígena brasileiro e da Articulação Nacional de Mulheres Indígenas. É assessora Parlamentar no mandado da deputada Áurea Carolina mulher Negra que tem feito a luta antisistemica. Célia também é professora, graduada em na licenciatura Indígena, na formação Intercultural para professores Indígenas pela Faculdade de Educação/UFMG, mestra em desenvolvimento sustentável pela UnB/MESPT. Doutoranda em antropologia pela UFMG.Reafirma que sua primeira escola foi a luta.

A luta dela centra-se na reestruturação do sistema educacional, no apoio às mulheres[2] e à juventude[3] dentro dos Xakriabá; e na mudança das fronteiras geográficas para manter seu território.

Selma Dealdina (ES) – Conaq: Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas

Quilombola, Assistente Social, Graduanda em História, ativista, Secretária Executiva e Coletivo de Mulheres da CONAQ (Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), Conselheira da Anistia Internacional e Fundo Socioambiental CASA, Coletivo Belas, Núcleo de Mulheres Negras do Espírito Santo, Comissão Espírito Santense de Folclore e Coalizão Negra por Direitos.

Mediação: Mara Karina (DF) – Cojira: Comissão Nacional de Jornalistas pela igualdade Racial

Jornalista, especialista em Assessoria em Comunicação Pública, mestra em Comunicação pela Universidade de Brasília (UnB) e pesquisadora em Análise de Discurso, Comunicação e Política. Atuou como consultora na ONU Mulheres Brasil, no UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas) e PNUD (Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas) em projetos relacionados à equidade de gênero, raça, etnia, igualdade racial e enfrentamento ao racismo. Coordenou a área de comunicação da Fundação Cultural Palmares. Está assessora de imprensa na Gabinetona, no mandato da deputada federal Áurea Carolina (PSOL/MG).

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

19:00 . 20:00 Sarau Libras Mais Cultura

Sarau Libras Mais Cultura

24/07/2020 19:00 - 20:00
+ Google Agenda   + Outlook

A vivência da arte sem barreira é o que propõe projeto “Sarau Libras Mais Cultura”, onde Poetisas e Poetas surdos e ouvintes irão celebrar a poesia. As poesias são declamadas em Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa.

O Sarau Libras Mais Cultura é coordenado pela empresária e especialista em acessibilidade cultural Eurides Nascimento e foi idealizado a partir do processo de mentoria realizado no projeto Apreendedoras, em Salvador, mentorado pelas irmãs Kintê- Samada Kintê e Sueide Kintê.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

20:00 . 22:30 Pocket Shows

Pocket Shows

24/07/2020 20:00 - 22:30
+ Google Agenda   + Outlook

Nara Couto é uma pesquisadora das culturas africanas e afro-brasileiras. A artista, que nasceu no bairro do Curuzu, em Salvador, começou a pesquisar, ainda adolescente, sobre a relação da musicalidade baiana com o continente africano. Influenciada pelas batidas do bloco afro Ilê Aiyê, se especializou em dança afro contemporânea. Atuou no Balé Folclórico da Bahia e viajou com grandes artistas da música como Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Margareth Menezes, até́ ingressar na Orquestra Afro Sinfônica, em 2009, como vocalista Mezzo Soprano.

Intérprete do single Linda e Preta, a artista se propõe a oferecer ao público uma interpretação afro transcendente, multifacetada, criada por letras, ritmos, melodias, texturas, cores e dança, além de mostrar a matriz que é feita por ritmos puros oriundos da diáspora, relidos e atualizados com a história negra e baiana.

20h30 Bia Nogueira (MG)

Bia Nogueira é multiartista negra, representante da Nova MPB. Atua como cantora, atriz, compositora e produtora. Idealizadora e artista do Coletivo Imune, aprovado no edital Natura Musical, uma das coordenadoras do Festival Sonora e integra a banda Yônika.

Lançou, em 2018, o CD Diversa, com composições próprias e da novíssima cena da música mineira. Em 2020, lança o álbum Eletronika, com remixes de seu álbum anterior, além de parcerias com o produtor musical Barulhista. Também lançará, neste ano, junto ao seu grupo de teatro, a trilha sonora original do espetáculo Madame Satã, que é estrelado por Djonga, que também participará do CD.

Com o Grupo dos Dez, estreou, este ano o espetáculo “Dandara Para Todas as Mulheres”, com direção e atuação de Bia Nogueira, com recursos provenientes da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte.

Também em 2020, grava participação especial na primeira faixa, O Cara de Óculos, do disco de Djonga “História da Minha Área”.

21h Luciane Dom (RJ)

Luciane Dom é uma cantora do Rio de Janeiro que faz parte da nova geração de artistas que representam a música brasileira. A perspectiva crítica de Luciane a levou por palcos no Brasil,

Estados Unidos e Chile. Seu trabalho combina música e artes visuais, já que a artista também produz trilha sonora para filmes, bem como atua em projetos de produção musical dentro de presídios juvenis (Manifesto – To)

Já cantou com Luedji Luna, Vox Sambou, Liniker, passou por diversos palcos importantes, como Circo Voador, Fundição Progresso, além do Nublu (NYC) e Chelsea Music Hall (NYC).

Estilo: música brasileira com reggae, candomblé e sua visão moderna do jazz.

21h30 Moara (DF)

Dona de voz potente e presença marcante, a cantora e compositora Moara se destaca como uma das principais representantes da música brasiliense na atualidade. Em 2018 lançou Peito Aberto, seu EP de estreia, indicado no mesmo ano pela Folha de São Paulo na categoria “discos de MPB” ao lado de nomes como Elza Soares e Gal Costa. Ainda em 2018, lançou 12 músicas em uma série intitulada Cartas Acapella e, no ano seguinte, o EP Do Começo ao Fim? expandiu ainda mais a sonoridade que se torna um respiro de paz e reflexão em meio à loucura do dia-a-dia, resultando em mais uma indicação –  dessa vez pelo portal Multi Modo como um dos 20 melhores EPs de 2019. Com pouco mais de 2 anos desde seu primeiro trabalho lançado, Moara já se apresentou em festivais como Sonora Soma, CoMA, SIM São Paulo, Móveis Convida, PicNik, Fico em Casa BR, LIFA Brasil, além de passar por palcos como Red Bull Station, Caixa Cultural São Paulo e os CCBBs de Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. Como se não bastasse tudo isso, Moara também é idealizadora da plataforma REVERBERA, que busca ajudar e incentivar a presença de mulheres nas artes.

22h Tuyo (PR)

A banda paranaense Tuyo, formada por Machado, Lio e Lay Soares, cruza influências do folk, do hip hop e do synth pop. Desde o lançamento do EP Pra Doer, em 2017, a banda demonstrou um flerte com a música eletrônica, mas sem abdicar da sonoridade acústica. Com o álbum “Pra Curar” (2018), as canções se tornaram trilha de processos de cicatrização e cura após a dor.

Responsáveis por projetar o trio Brasil afora, os trabalhos soam como a trilha sonora de um caminho que vai do deixar arder ao superar (com muitos momentos de entender e aceitar, claro). Percurso que se fez necessário para chegar ao ponto em que o grupo se encontra agora, com o lançamento do primeiro single do próximo disco de estúdio, intitulado “Sem Mentir”.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

10:00 . 12:00 Espaço Bem Viver com Bolanile Olatunji - Nigéria

Espaço Bem Viver com Bolanile Olatunji - Nigéria

25/07/2020 10:00 - 12:00
+ Google Agenda   + Outlook

10h Meditação Curativa de Obatalá – (Deus da criação Yorubá)

11h Vivência em Yoga Africana

Sobre Bolanile

Bolanile é Coach de Saúde em Nutrição Integrativa certificada, artista de culinária alcalina e curadora holística – de Etnia iorubá porém nascida Americana –  Ela iniciou sua jornada saudável e holística em Nova York em 2009, quando começou a praticar Yoga e 6 anos depois Meditação Transcendental. Na época ela aprendeu a meditar, duas vezes por dia durante 2 minutos cada sessão, ela também fez a transição para um estilo de vida vegano. Bolanile viajou para a Índia e Tailândia para imersão espiritual em yoga, mediação e experiências de culinária vegana.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

13:00 . 14:00 Samba de Roda de Dona Dalva Damiana (Suerddieck) - BA

Samba de Roda de Dona Dalva Damiana (Suerddieck) - BA

25/07/2020 13:00 - 14:00
+ Google Agenda   + Outlook

Dona Dalva - Samba de RodaDoutora do Samba pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia–UFRB, Dona Dalva é uma ilustre personalidade. Fundadora do Samba de Roda Suerdieck e Samba de Roda Mirim Flor do Dia, é cantora, compositora, sambadeira, irmã da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte e realizadora de ações culturais em Cachoeira. Sua atuação lhe rendeu títulos, homenagens e resultados imprescindíveis para o patrimônio cultural baiano, dos quais está os reconhecimentos do Samba de Roda do Recôncavo da Bahia como Patrimônio Cultural e Imaterial pelo IPHAN (2004), Obra Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela UNESCO (2005) e Patrimônio Imaterial da Bahia (2020). Possuidora de um vasto repertório musical do Samba de Roda e das tradições do candomblé, atualmente Dona Dalva é aposentada como operária charuteira e se dedica aos trabalhos no seu espaço de preservação de memória denominado “Casa do Samba de Roda de D. Dalva”.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

14:00 . 15:00 Lançamento do app Negras Plurais - Abertura com Pocket Show Bia Ferreira

Lançamento do app Negras Plurais - Abertura com Pocket Show Bia Ferreira

25/07/2020 14:00 - 15:00
+ Google Agenda   + Outlook

App Negras PluraisBIA FERREIRA

Instagram: @igrejalesbiteriana

Sonoridade: MMP – Música de Mulher Preta

Mineira, cantora e compositora, Bia Ferreira conquistou o Brasil com a canção “Cota Não é Esmola”, canto de resistência antirracista. Groovando com toques de gospel, do rap e reggae, o  show do disco ” Igreja Lesbiteriana, Um Chamado”, lançado em 2019,  pauta a informação como tecnologia para um levante pela luta antirracista e para o protagonismo pessoas LBT’s. Sua voz  tem ecoado por vários países do mundo. Com turnês que passaram pela Alemanha, Portugal, Espanha, França, e México e vem se destacando igualmente no cenário nacional.  Pulso Redbull Music (SP), Favela Sounds (BSB), Oi STU Open (RJ) e Festival Morrostock (RS) são alguns dos palcos que ja receberam esse Ato-Manifesto. Acompanhada de uma banda majoritariamente feminina e preta, a música de Bia transcende o corpo e toca também o espírito.

O que é o APP Negras Plurais?

O aplicativo é para dar o “Match” entre as empreendedoras negras, que poderão cadastrar seu estoque para venda, e o comprador, que terá facilidade de pagamento.

Como foi criado?

Percebendo as necessidades de diversas mulheres negras, maioria das trabalhadoras informais do Brasil e que, com a pandemia ficaram sem trabalho. Muitas delas estão produzindo serviços e produtos como máscaras, toucas, propé, avental, comidinhas e outros produtos que ficaram estocados, sem possibilidade de vendas.

Como será o funcionamento?

A empreendedora receberá em sua conta as vendas e só precisará enviar para o cliente final. A comercialização de produtos e serviços será automatizada, facilitando os consumidores a praticarem o giro econômico entre mulheres negras.

Qual importância do App Negras Plurais?

Precisamos que a luta da emancipação do povo negro através da economia, seja também prioridade da luta antirracista.

Todes somos responsáveis pelas mudanças que queremos e precisamos para nosso país e você pode ajudar colaborando para que esse aplicativo aconteça.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

15:00 . 17:00 Mesa: Sonhos Latino-caribenhos - Mulheres em movimento, Amefricanidades e Feminismos insurgentes – parte 1

Mesa: Sonhos Latino-caribenhos - Mulheres em movimento, Amefricanidades e Feminismos insurgentes – parte 1

25/07/2020 15:00 - 17:00
+ Google Agenda   + Outlook

Feminismos Insurgentes - rodada 1Lélia Gonzalez defendeu a ideia de um feminismo afrolatinoamericano,  frente à necessidade de olharmos para nossos próprios processos, enquanto mulheres negras e indígenas da América Latina. O colonialismo discursivo insiste em eleger corpos e narrativas hegemônicos para falar pelos múltiplos movimentos de mulheres. A mesa “Mulheres em Movimento, Amefricanidades e feminismos insurgentes” é um espaço para falar da nossa potência, diversidade e utopias para a construção de uma sociedade equânime. Temos muitas leituras e propostas para contrapor este modelo de sociedade fracassado, criado pelo homem branco, e aqui vamos nós! Se juntas somos fortes e estamos derrubando as epistemologias da branquitude, imaginem mais juntas ainda!

 

Participantes:

Shirley Campbel Barr (Costa Rica)

Escritora e antropóloga afro-costa-riquenha e autora de famosos poemas, Shirley Campbell Barr possui diversas coleções de poesias e publicou dezenas de poemas e artigos em revistas, antologias e jornais de diversos países. Suas obras foram traduzidas para o inglês, francês e português. Seu grande livro é poema tem por título “Rotundamente negra”.

Leila Borari  (PA)

Leila Borari, turismóloga, indígena do povo Borari de Alter do Chão – Santarém- Pará, coordenadora da Associação de Mulheres Indígenas Suraras do Tapajós, ativista ambiental e microempreendedora na Amazônia.

Dríade Aguiar (MT)

Ativista do Fora do Eixo, feminista, pansexual, militante body positive, produtora cultural, articuladora e gestora da Mídia Ninja.

Dandara Black Power (PA)

Pesquisadora Transfeminista, Antirracista e Antiproibicionista. Graduada em Direito, Coordenadora Executiva do Coletivo Amazônico LesBiTrans. Liderança

apoiada pelo Programa de Aceleração Marielle Franco (Fundo Baobá). Integrante da RENFA – Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas, Coalisão Negra Por Direitos e Agenda Nacional Pelo Desencarceramento. AfroAssessora de Projetos, Formação e Advocacy

Instagram: @lesbitrans_amazonia

https://www.frontlinedefenders.org/pt/profile/dandara-sousa-de-oliveira.

Odaymar Kruda (Cuba)

Rapper, poeta, vegana, integrante da icônica dupla queer cubana Krudas Cubensi

 

Mediação: Marielle Ramirez (MT)

Co-fundadora da Mídia NINJA e do Fora do Eixo, é jornalista e ativista nas lutas de Cultura, Comunicação e Direitos Humanos, com destaque aos Direitos indígenas. Foi assessora do ministro da Cultura Juca Ferreira, entre 2015 e 2016 e consultora do PNUD (Programa das Nações Unidas de Desenvolvimento) na Secretaria Geral da Presidência da República em 2014. À frente da Mídia NINJA, já coordenou dezenas de projetos. Atualmente, está à frente da Casa Ninja Amazônia.

17:00 . 19:00 Mesa: Sonhos Latino-caribenhos – parte 2 - Mulheres em movimento, Amefricanidades e Feminismos insurgentes

Mesa: Sonhos Latino-caribenhos – parte 2 - Mulheres em movimento, Amefricanidades e Feminismos insurgentes

25/07/2020 17:00 - 19:00
+ Google Agenda   + Outlook

Feminismos Insurgentes - rodada 2Lélia Gonzalez defendeu a ideia de um feminismo afrolatinoamericano,  frente à necessidade de olharmos para nossos próprios processos, enquanto mulheres negras e indígenas da América Latina. O colonialismo discursivo insiste em eleger corpos e narrativas hegemônicos para falar pelos múltiplos movimentos de mulheres. A mesa “Mulheres em Movimento, Amefricanidades e feminismos insurgentes” é um espaço para falar da nossa potência, diversidade e utopias para a construção de uma sociedade equânime. Temos muitas leituras e propostas para contrapor este modelo de sociedade fracassado, criado pelo homem branco, e aqui vamos nós! Se juntas somos fortes e estamos derrubando as epistemologias da branquitude, imaginem mais juntas ainda!

 

Participantes:

Katiúscia Ribeiro  (RS)

Filósofa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Filosofia e Ensino pelo programa de Pós-graduação de Filosofia e Ensino – PPFEN – CEFET / RJ com Dissertação tema : Kemet , Escolas e Arcadeas – A Filsofia Africana no Combate ao Racismo Epistemico e a Lei 10639/03 . Atualmente é Doutoranda em Filosofia no Programa de Pós Graduação de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais IFCS/PPGF , sua pesquisa é sobre Filosofia Kemetica

É Coordenadora Geral do Laboratório de Africologia e Estudos Ameríndios   Geru Maã / UFRJ na área de Filosofia Africana/ Indígena. Ex docente de Filosofia jurídica na EMERJ/ Escola de Magistratura do Rio de Janeiro

Carla Akotirene (BA)

Carla Akotirene é uma das principais referências do feminismo negro brasileiro.

No seu doutoramento em estudos de gênero, mulheres e feminismos, realizou um estudo comparativo entre as lógicas de racismo e sexismos institucionais nas prisões masculinas e prisões femininas, à luz da interseccionalidade. Em sua pesquisa de mestrado em Estudos Feministas estudou a interseccionalidade no Conjunto Penal Feminino de Salvador, e abordou a questão das mulheres no sistema prisional. Também é bacharel em Serviço Social.

Em setembro 2018, Akotirene lançou o seu primeiro livro autoral, “O que é Interseccionalidade?”, através da Editora Letramento. Em 2020 2020 lançou o livro “Ó pa í, prezada! Racismo e sexismo institucionais tomando bonde nas penitenciárias femininas”. Filha de Oxum, já trabalhou como cordeira e segurança do bloco afro Ilê Aiyê na década de 90 e, em 2020,  foi homenageada especial da 41ª Noite da Beleza Negra, ao lado de Maíra Azevedo (Tia Má) e Leo Kret, outros nomes importantes na luta pelos direitos das mulheres negras”.

Ana Flor (PE)

Ana Flor Fernandes Rodrigues (@tdetravesti)

É acadêmica no curso de pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco; membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Foucault e Educação (GEPFE-UFPE); e do Grupo de Estudos e Analises Culturais em Educação (GEACE-UFPE); Extensionista no Núcleo de Direitos Humanos e Contemporaneidades LGBT, NUCH-UFPE; e Coordenadora Regional Nordeste do Instituto Brasileiro Trans de Educação. Ana Flor vem pensando outras de formas de discutir gênero, sexualidade, educação e política.

Winnie Bueno (RS)

Winnie Bueno é iyalorixá, doutoranda em Sociologia pela UFRGS, mestra

em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, e bacharela em Direito pela UFPEL. Ativista dos movimentos feminista e negro, é desenvolvedora do projeto Winnieteca, uma rede de circulação de livros para pessoas negras.

Taitu  Heron (Jamaica)

Sobre Taitu Heron Taitu Heron é multifacetada: Especialista em Desenvolvimento / Facilitadora de Oficinas / Advogada de Direitos Humanos / MamaQueen / Estudiosa/ Ativista / Deusa da Terra e deusa amorosa e poeta de performance. Formada pela Universidade das Índias Ocidentais (UWI) em Mona e pela Universidade de Cambridge (Reino Unido), em Relações Internacionais e Estudos de Desenvolvimento, respectivamente, sua experiência profissional abrange a academia (Departamento de Governo e Sociologia, UWI Cave Hill e o Instituto para Estudos de Gênero e Desenvolvimento, UWI Mona), sociedade civil (WMW Jamaica, Caribbean DAWN, WEChange e Tambourine Army); Serviço civil da Jamaica (Instituto de Planejamento da Jamaica) e desenvolvimento internacional (ONU Mulheres e PNUD). Heron é ativista de longa data da Jamaica / Caribe e defensora dos direitos das crianças, mulheres e pessoas LGBTQ + e também advogada pelo direito à expressão soberana da espiritualidade de origem africana no Caribe. Suas publicações e poesia teatral concentram-se em diferentes aspectos dessas mesmas áreas. Atualmente, ela é chefe da Unidade de Mulheres e Desenvolvimento (WAND), do UWI Open Campus. O trabalho da WAND envolve alcance comunitário inclusivo, diversificado e centrado nos direitos, aprendizado on-line e a distância e parcerias técnicas em pesquisa aplicada, advocacia e desenvolvimento de políticas; todos eles visam centrar as mulheres e suas famílias no desenvolvimento do Caribe.

Joice Berth – escritora, feminista negra, arquiteta e urbanista, formada pela Universidade Nove de Julho. Autora do livro O que é Empoderamento?, terceiro da coleção Feminismos Plurais, organizada pela mestra em Filosofia Djamila Ribeiro. Foi colunista do site Justificando e atualmente escreve para a revista Carta Capital. Pesquisa sobre direito à cidade, com recorte de gênero e raça.

 

Mediação: Bruna Pereira (DF)

Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília, é especialista nas temáticas de gênero, raça e interseccionalidade. É autora do livro “Tramas e dramas de gênero e de cor: a violência doméstica contra mulheres negras” (Brado Negro, 2016). Entre 2015 e 2017, foi Coordenadora de Atividades Formativas do Latinidades. Hoje, atua como consultora internacional no Equipo FREE e é uma membra orgulhosa do Instituto Afrolatinas.

19:00 . 23:30 Shows

Shows

25/07/2020 19:00 - 23:30
+ Google Agenda   + Outlook

19h Krudas Cubensi (Cuba)

Artistas independentes, poetas, feministas, queer, ativistas vegetarianas – Krudas Cubensi é formada pelas rappers Odaymar Costa e Olivia Prendes. A dupla cubana foi fundada nos anos 90 e é uma das principais representantes da cena hip hop da ilha, trazendo no canto a insurreição contra a ditadura machista, racista e lgbtqifóbica. Já estiveram por diversos festivais pelo mundo, inclusive no Latinidades, em 2013, quando falamos sobre Arte, Cultura Negra e Políticas Públicas.

19h30 Suraras do Tapajos (PA)

Em abril 2018 surgiu o primeiro grupo de carimbó do Oeste do Pará composto somente por mulheres e o único do Brasil composto somente por mulheres indígenas: as Suraras do Tapajós, mais uma vez, colocando a figura feminina em evidência. O grupo de carimbó tornou-se uma valiosa ferramenta para dar voz à missão das artistas e ativistas, que alcançaram espaços importantes por meio da música. Além do tradicional carimbó de artistas paraenses consagrados, elas apresentam músicas autorais e composições em Nhengatu – língua geral falada pelos povos do Baixo Tapajós. Trabalham a música como forma de resistência, fazendo com que a voz dos povos indígenas ecoe muito além de seus territórios. Em 2019, participaram do I Festival de Música Indígena Contemporânea, realizado em São Paulo e, em 2020, apresentaram a música das mulheres indígenas do Baixo Tapajós no SESC Pompeia.

20h  Haynna (DF)

Considerada um elo entre o contemporâneo e o tradicional, Haynna é uma artista que busca reapropriar as narrativas de ritmos genuinamente negros. Busca com esse resgate traduzir o seu blues/rock urbano e brasileiro, a sua maneira de ver o gênero adicionando toda as suas influências, sem perder a alma nordestina e o lirismo poético de suas composições. Radicada em Samambaia-DF, a piauiense carrega na sua voz dissidente toda a urgência e intensidade de seu canto e com a banda Haynna e Os Verdes lançou álbum homônimo reconhecido pela voz potente e instrumental inconfundível, em canções que falam de amor com uma perspectiva feminina. Haynna é destaque na cena musical do DF por ser uma agente cultural de base comunitária que presta relevante contribuição ao desenvolvimento artístico e cultural, por integrar a projeção de artistas negras e LGBTQIA+, a ocupação dos espaços públicos, a descentralização da cultura, a arte independente e suas constantes transformações.

20h30 Anna Suav (PA)

cria 092, mulher negra amazônida em movimento

POETA | MC | CANTORA | COMPOSITORA | PRODUTORA AUDIOVISUAL E CULTURAL

Representando Belém do Pará, Anna Suav é uma das artistas expoentes da cena new school do RAP e R&B que está sendo feita na parte de cima do mapa. Sua fala e arte narram e demarcam a (sobre)vivência de uma ‘preta nortista potência’. Idealizou e organizou o projeto Slam Dandaras do Norte (2017-2019) e frequentemente participa de formações em debates, rodas de conversa, projetos escolares e culturais.

21h Preta Ferreira (SP)

Janice Ferreira, a Preta, é multiartista, comunicadora inata e de formação. Hoje se apresenta como abolicionista penal, ativista do MSTC também. É a mais velha dos oito irmãos. Na adolescência, veio da Bahia para São Paulo e, desde cedo, trabalhou para ajudar na complementação da renda familiar formada em publicidade, consolidou sua carreira na produção cultural. É também a autora e intérprete do single Minha Carne. Tem por missão; “transformar o mundo, para o desenvolvimento cultural e econômico, a partir de pequenos grupos, com promoção da paz e justiça social”, pontua. Na Ocupação 9 de Julho, Preta organiza eventos culturais e socioeducativos, desde pesquisas acadêmicas, laboratórios, oficinas, shows e ações de saúde e lazer.

21h30 Bixarte (PB)

Cantora, compositora, poetisa e rapper são faces da arte que a Bixarte explora. Ela é Bicampeã do Slam estadual da Paraíba e finalista do Slam Brasil. Aos 18 anos, lançou seu primeiro trabalho musical chamado “Revolução” e aos 19 sua mixtape “Faces” e “Faces Remix”. Bixarte canta e recita sobre o que vive e também sobre a urgência de falar sobre corpos invisibilizados

22h  Brisa Flow (SP)

Criada no Brasil a cantora e compositora ameríndia Brisa Flow é mineira mas radicada em São Paulo. Filha de artesãos chilenos artista Brisa de La Cordillera recebeu influências desde criança das músicas e cultura dos povos nativos da América Latina. Iniciou sua carreira no Hip Hop em Belo Horizonte frequentando batalhas de rap. Seu primeiro disco “Newen”, lançado em 2016, significa força na língua nativa do povo mapuche. A obra musical esteve entre os 20 melhores discos do ano selecionados pelo Estadão. Brisa também foi a artista “aposta” da Folha de São Paulo em 2017. Recebeu duas vezes o prêmio Olga Mulheres Inspiradoras. Em 2018 lançou seu segundo disco “Selvagem Como o Vento” e se destacou em listas da Redbull e Genius como os melhores 50 discos da música brasileira em 2019. A artista lançou seu disco no Instituto Tomie Ohtake e se apresentou no Festival Tekô Porã Niterói, Festival de Inverno de Garanhuns PE, Masp, e outros palcos pelo Brasil. Em 2020 participou do trabalho Desordem Y Progreso pelo selo musical mexicano ONDA MUNDIAL. Foi artista convidada pelo Instituto Moreira Salles para participar da iniciativa #IMSconvida com a obra audiovisual “Hija De Kuyen” de composição sonora e direção da artista. O trabalho mais recente de Brisa Flow em 2020 é o EP Free Abya Yala, uma gravação de improvisação com um quarteto de jazz que aborda temas sobre a política extrativista e arte decolonial.

22h30 Converse Apresenta: MC Soffia & Rosa Luz

MC Soffia

MC Soffia começou a sua carreira aos 6 anos de idade, logo após participar do

projeto “O Futuro do Hip Hop”. Hoje, com 16 anos, gosta de produzir sons contestadores sobre paradigmas sociais. Para ela, nascida e criada na periferia de São Paulo, o rap significa “música de força e resistência”.

A rapper mirim já se apresentou em eventos como, por exemplo, a Virada Cultural de São Paulo e o Festival Latinidades em Brasília. Atualmente, MC Soffia está em fase de  pré-produção do seu primeiro álbum, intitulado “Menina Pretinha”.

Rosa Luz

Rosa Luz é uma artista que utiliza artes visuais, música e tecnologia como elementos centrais em sua produção artística. Já integrou diversas exposições Brasil afora, participou de residências artísticas no Reino Unido, lançou seu primeiro EP em 2017 e alguns singles de lá pra cá, usando o rap como expressão. Participou dos filmes Estamos Todos Aqui e Chega de Fiu Fiu e integrou o primeiro time de influenciadores da Avon Brasil, além de ter participado do Youtube NextUp e foi considerada pela @youpix uma das 10 pessoas mais influentes do mercado de criação de conteúdo digital em 2018. Em 2019 foi convidada pela Embaixada dos EUA para integrar o @stateivlp e atualmente continua produzindo sua arte em meio a pandemia.

23h Enme (MA)

Enme é uma artista queer natural do Maranhão. Cantora, compositora, rapper e

dragqueen, em 2019 lançou seu EP Pandú com faixas autorais que trazem a sonoridade nordeste misturada aos ritmos pops como funk, hip hop e afrobeat. Com o seu ep, ganhou destaque internacional na Vogue Italiana e levou o prêmio de artista revelação no Festival Sons da Rua em São Paulo. No início do ano Enme cantou no carnaval de Recife a convite de Romero Ferro e ao lado de Pabllo Vittar.

23h30 Dj Tamy (RJ)

Tamyris Reis desde criança teve contato com a música devido a influência de deus pais. Do piano a percussão, as melodias já estavam no sangue dessa carioca que se tornaria DJ, com toda a sua bagagem musical.

Aos 18 anos, Tamy procurou um curso de especialização em mixagem, por incentivo dos amigos, para se profissionalizar e encontrou sua vocação. Ali nascia a DJ Tamy.

Em 2012, já reconhecida profissionalmente no mercado, ela ingressou no Red Bull Favela Beats para estudar durante um ano e aprimorar ainda mais suas habilidades como DJ e produtora musical.

Depois disso, sua carreira deslanchou e Tamy conquistou seu espaço em eventos com grandes marcas, produtoras e festivais do cenário brasileiro.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

10:00 . 12:00 “Sem folha não tem sonho”

“Sem folha não tem sonho”

26/07/2020 10:00 - 12:00
+ Google Agenda   + Outlook

Sem Folha não Tem SonhoA cura do corpo e da mente por meio das ervas é um legado ancestral, deixado por nosses antepassades. Os povos indígenas brasileiros, entre outros legados  historicamente invisibilizados pelo racismo, nos ensinaram muito sobre o uso das plantas sagradas. A medicina popular, por muito tempo foi desvalorizada ou apropriada de forma indevida, fazendo com que muitas de nós nos afastássemos do que é nosso por direito. Negres e indígenas estamos profundamente conectades com esses conhecimentos e queremos nos conectar cada vez mais, na luta, nos movimentos e utopias.

Participantes:

Mãe Celina de Xangô

É Yalorixá com 30 anos de iniciação no Candomblé, gere sua casa de santo com ampla atividade e tem como parte da sua missão dividir esses ensinamentos de autoproteção, prosperidade e cuidado através da sabedoria dos Orixás. Gestora do Centro Cultural Pequena África há doze anos e durante 2011 e 2012 foi convidada pela Arqueologia da UFRJ a participar do reconhecimento de objetos africanos encontrados nas escavações do Cais do Valongo, localizado na Zona Portuária do Rio de Janeiro, local que recebeu o título de Patrimônio Histórico da Humanidade dado pela UNESCO, por ser o único vestígio material da chegada dos africanos escravizados nas Américas. É

idealizadora e criadora do projeto O Poder das Ervas, que realiza oficinas e palestras de contato com os saberes do Candomblé em diversos eventos e públicos. Celina Rodrigues já participou de grandes eventos internacionais como o WOW Festival (2018 e 2019), Festival Climax (FRA) e Noite das Ideias 2020 (RJ) ao lado personalidades do mundo como Ailton Krenak. Em diversas edições, oficina O Poder das Ervas já aconteceu no Rio no Museu do Amanhã, Museu de Arte do Rio, Centro Cultural Pequena África, Academia da Ahlma e Retrato Espaço Cultural; em São Paulo na Pinacoteca de SP e no Teatro Oficina, Em Lion, na França, e em Berlim, Alemanha.

Kamuu Dan Wapichana nasceu em Roraima. É engenheiro ambiental, escritor e autor do livro “O sopro da vida”. Vive no Santuário dos Pajés, em Brasília. Em 2008, fundou dentro da UnB, a Associação dos Estudantes Indígenas do Distrito Federal, hoje reconhecida nacionalmente pela luta de afirmação e cotas nas universidades.

Em seu livro “O sopro da vida”, ele utiliza a literatura infantil para dizer o quanto necessitamos cuidar das sementes nativas que estamos perdendo para as grandes multinacionais, sendo elas modificadas e envenenadas, abrindo espaço para o debate do papel da sociedade frente a este enfrentamento.

Pajé Macuxi (Vanda Domingos) é indígena da etnia Macuxi, parteira, artista, especialista em medicina tradicional. A história de Dona Vanda como parteira se iniciou aos 18 anos, quando aprendeu com a própria mãe o ofício de trazer meninos e meninas para o mundo. Desde então, ela passou a acompanhar mulheres grávidas em Boa Vista e em comunidades indígenas do interior de Roraima. Além disso, é uma mestra em saberes medicinais, ativista e uma das maiores referências para nós.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

14:00 . 16:00 Converse apresenta: “Criar juntas novas narrativas negras na internet”

Converse apresenta: “Criar juntas novas narrativas negras na internet”

26/07/2020 14:00 - 16:00
+ Google Agenda   + Outlook

Participantes: 

Mediação: Sarah Evelin

Sarah Evelin, 27 anos, formada em Marketing pela Faculdades Integradas Rio Branco, tem experiência em comunicação e relações públicas para marcas de moda. Hoje trabalha como Digital PR, recentemente criou o perfil @pretxsnamoda, porque deseja criar uma narrativa mais preta para a área de moda no Brasil.

Bielo Pereira:

“Bielo Pereira: Formada em Lazer e Turismo pela Universidade São Paulo; utiliza o instagram @HelloBielo com mais de 139k seguidores como ferramenta para fomentar pautas de gordoativismo, empoderamento de pessoas negras e luta contra a discriminação da população LGBTQI+. Bielo também é empresária e atua através de palestras, vídeos, podcasts, performances artísticas (dentro e fora do mundo digital) e como comunicadora; possui vídeos e materiais educativos discutindo sobre comportamento em relação a estes temas no NinjaCast com o podcast “As Tias do Pavê”, Quebrando Tabu, GNT com o programa “Coisa Boa Pra Vc”, Canal Preto, TODXS, entre outros.

Instagram: @HelloBielo

Twitter: @HelloBielo”

Xan Ravelli:

Xan Ravelli (Alexandra, de nascimento) é o nome por trás do Radar digital Soul Vaidosa. Vaidosa de corpo e alma, musicoterapeuta por formação, especialista em comportamento e psicodiagnóstico #pretacrespamãede2efeminista Soul Vaidosa foi o primeiro canal do YouTube Brasil a unir temáticas em beleza e feminismo negro, nele Xan traz beleza com propósito, apoio emocional com identidade negra e mostra um pouco da sua vida de em família (relacionamento, maternidade e passeios). Em 2016 foi um dos 8 canais escolhidos pelo Google para representar o Brasil em Londres no YouTube Summit for Social Change, está na lista de mulheres inspiradoras do Think Olga (2017). Professora convidada da Escola Conquer onde ministra o curso de Inteligência Emocional e teve uma participação de destaque no programa “O Aprendiz” com Roberto Justus de 2019 edição especial para Criadores digitais.

Lorrayne Carolyne:

Me chamo Lorrayne Carolyne sou influenciadora digital, tenho 18 anos, moro em Franca no interior de SP, comecei criando conteúdo no Instagram no começo de 2019, percebi que o público que me acompanha começou a gostar do meu conteúdo, sempre interagindo comigo e isso foi uma inspiração enorme para eu continuar nesse meio, alguns meses depois criei meu canal no YouTube e comecei a produzir vídeos para a plataforma, pretendo crescer muito nesse meio e sempre com amor no que faço.

16:00 . 17:00 Oficina: Bailando com as Mãos, com Eurides Nascimento (BA)

Oficina: Bailando com as Mãos, com Eurides Nascimento (BA)

26/07/2020 16:00 - 17:00
+ Google Agenda   + Outlook

Bailando com as mãosVocê já pensou em aprender a Língua Brasileira de Sinais (Libras) a partir das suas músicas e poesias preferidas? A Empresária Eurides Nascimento, CEO no Instituto Libras Mais Cultura Integração e Acessibilidade, criou essa metodologia, com o objetivo de promover socialização entre  pessoas  surdas e ouvintes. Só pra ir deixando a gente na vontade, Eurides já soltou parte do repertório da oficina e tem música para todos os gostos, como “Me deu Onda” – MC G15, “Tô ouvindo alguém me chamar”, Racionais MC’s, “Você partiu me coração” – Nêgo do Borel, “Preta de quebrada” – Flora Matos e muito mais!

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

17:00 . 20:00 Maconha e maternidade

Maconha e maternidade

26/07/2020 17:00 - 20:00
+ Google Agenda   + Outlook

Maconha e Maternidade

Quem não é fã da Mãeconheira é porque ainda não teve o prazer de seguir a sua página, toda verdinha, no instagram. No dia 26 de julho vamos receber na programação do festival um papo reto e afetuoso entre ela e Kamila Jacoub, do coletivo Mulheres Canábicas, sobre maconha e maternidade. É claro que esse tema não poderia ficar fora das nossas utopias. Tão preparades?

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

20:00 . 21:30 Pocket Shows

Pocket Shows

26/07/2020 20:00 - 21:30
+ Google Agenda   + Outlook

20h Duo Pretas (RJ)

Espetáculo: Guerreiras

Guerreiras! Acostumou-se a associar grandes invenções, pensamentos e ações à nomes masculinos, mas não notase que muitas mulheres contribuíram para a evolução da sociedade. O espetáculo GUERREIRAS! tem como objetivo contar a história de mulheres que conquistaram seus lugares na história sendo capazes de mudar a visão de uma sociedade inteira por décadas ou séculos. O espetáculo divide-se em dois atos, o primeiro trata dos vários tipos de violências sofridas e o segundo trata-se do empoderamento, onde acreditamos que o conhecimento e a sororidade são nossas armas. No repertório ouviremos obras que remetem às ações dessas mulheres e também obras que têm visão machistas sobre as mulheres.

20h30 Orquestra Funmilayo Afrobeat (SP)

Funmilayo Afrobeat Orquestra é a única banda de afrobeat no mundo formada somente por mulheres e pessoas não-binárias negras.

O projeto é novo e surgiu do incômodo da cantora e saxofonista Stela Nesrine e da trompetista Larissa Oliveira ao perceberem a ausência de um grupo de Afrobeat idealizado por mulheres negras, que tocassem esse estilo essencialmente negro.

Diante do desafio, Stela e Larissa começaram a somar forças com outras artistas que abraçaram a ideia.

O nome da banda foi escolhido como forma de homenagear Funmilayo Anikulapo Kuti, uma das ativistas mais importantes da Nigéria, tendo liderado a luta das mulheres por liberdade, pelo direito ao voto e por justiça social. Além de ter sido uma professora proeminente e uma ativista incansável, Funmilayo é mãe de Fela Anikulapo Kuti, músico nigeriano considerado o criador do Afrobeat e o inimigo número 1 das autoridades nigerianas durante as décadas de 70 e 80, famoso por não ter medo de usar sua música contra o que acreditava ser injusto em seu país.

Em Setembro/19 a banda foi selecionada no Edital “Escuta as Minas” da Spotify e em Outubro/19 realiza a gravação do seu primeiro Single intitulado: “NegrAção” que será lançado em todas as plataformas no dia 20 de Novembro, em comemoração ao Dia da Consciência Negra.

Apadrinhada por ninguém menos que o músico e filho de Fela Kuti: Seun Kuti e pela americana, ativista pelo direitos civis, cantora, ex filiada aos Panteras Negras: Sandra Izsadore, a Funmilayo Afrobeat Orquestra pretende ser uma inspiração para que as mulheres negras ocupem cada vez mais espaços na arte, na política, ou onde elas quiserem!

Com três shows em dezembro: SESC Santo Amaro, Casa do Mancha e na AfroJamSP, Funmilayo nasce e promete fazer muito barulho em 2020. UBUNTU!

21h Banda Panteras Negras (BA)

Diretamente de Salvador – BA, Panteras Negras é a primeira banda instrumental

do mundo formada por mulheres negras e LGBTQI+. Nomeada em homenagem ao movimento revolucionário que surgiu no fim da década de 1960

nos Estados Unidos contra a opressão aos negros, o grupo é formado por quatro integrantes; Ziati Franco (baixo), Dêdê Fatuma (percussão), Line Santana (bateria) e Suyá (guitarra) – que têm relação técnica e autodidata com a música e trazem diversas influências em seus trabalhos. Cada uma dentro de sua história, ao contrário do que podem julgar olhares homogeneizantes sobre a trajetória de vida das mulheres negras e de minorias, contribui com suas referências, enquanto encontram as estruturas rítmicas e harmônicas que ecoam na mesma sintonia: afro, afoxé, samba-reggae e música afro-cubana.

O diferencial do projeto, tendo em vista que o som é instrumental e não há protagonismo de uma cantora, é a utilização da fala, que enfatiza poemas autorais em algumas canções – citações que refletem suas vivências e realidades –, com inserção também de coro vocal do próprio grupo. Trata-se de um improviso livre, que faz de cada performance uma experiência única, gerado das vozes silenciadas de um povo que tem muito a dizer. Um diálogo entre três mulheres e um homem trans, que exprimem pontos consistentes de seus empoderamentos pessoais, alimentando suas autoestimas e inspirando públicos carentes dessa linguagem.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

09:00 . 10:00 [Serviço de Preta] Com vocês: a Irmandade da Boa Morte!

[Serviço de Preta] Com vocês: a Irmandade da Boa Morte!

27/07/2020 09:00 - 10:00
+ Google Agenda   + Outlook

Dona Dalva Damiana de Freitas, uma das nossas homenageadas 2020

9h Empreendedorismo decolonial: o legado da Irmandade da Boa Morte

Para o lançamento do nosso primeiro ambiente de mercado, prepararmos um momento especial. A história da Irmandade da Boa Morte, para reafirmar que #nossospassosvemdelonge e nos levarão além.

Participantes:

Mãe Dora de Oyá

Yalorisá do Ilê Axé Tojú Lábá – Brasília. Fisioterapeuta de  formação, com especialização em dermato funcional. Mestre de Saberes Tradicionais pelo o INCTI- da Antropologia da Universidade de Brasília. Membro do Conselho Nacional de mulheres de Axé do Brasil. Ativista Cultural. Fundadora do Projeto Social ABC Musical. Fundadora e Coordenadora Geral  do Afoxé Ogum Pá DF. Prêmio Paulo Freire de Educador Social 2019. Sacerdotisa com casa aberta a 16 anos em Brasília e noviça da Irmandade da Boa Morte.

Yálaxé Juçara Lopes

Coordenação Nacional de mulheres de Axé do Brasil e Noviça da irmandade da Boa Morte

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

10:00 . 11:00 [Serviço de Preta] Gestão financeira para negócios, com Ludmyla Oliveira, Cê Vira nos Negócios (RJ)

[Serviço de Preta] Gestão financeira para negócios, com Ludmyla Oliveira, Cê Vira nos Negócios (RJ)

27/07/2020 10:00 - 11:00
+ Google Agenda   + Outlook

Somos descendentes de rainhas, temos os saberes ancestrais perpetuados em nosso DNA, herdamos a força da mulher negra, chefiamos nossas famílias. Gerenciamos, organizamos, conduzimos nossos negócios transformamos escassez em oportunidade. A gestão financeira é o passaporte de voo para o crescimento do negócio, combustível vital para nossos sonhos. Ferramenta importante para conquistar o mundo de forma sólida, construindo ações diárias, analisando oportunidades e se preparar para situações adversas do mercado.

Quanto custa o seu negócio por mês? Como realizar uma gestão dentro da sua rotina? Banco digital versus Físico; Ferramentas tecnológicas e manuais; Quando pedir empréstimo? O que analisar? Essas e outras questões vão ser abordadas pela administradora, gestora, consultora financeira e empreendedora criativa Ludmyla Oliveira.

Administradora de Empresas, com especialização em Gestão Financeira, a facilitadora Ludmyla Oliveira atua como mentora e consultora financeira para pequenas e médias empresas, Executiva da Rede Cê_Vira nos Negócios e  Facilitadora de processos de capacitação junto ao Instituto Feira preta e Das Pretas. CEO da Crioula Criativa.

Atividade realizada em parceria com a Cê Vira nos Negócios* @ce_vira

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

11:00 . 12:00 [Serviço de Preta] O Impacto das Artes - 
Mensurando o Impacto da Arte nas Trajetórias de Vida

[Serviço de Preta] O Impacto das Artes - 
Mensurando o Impacto da Arte nas Trajetórias de Vida

27/07/2020 11:00 - 12:00
+ Google Agenda   + Outlook

O Impacto das ArtesRoda de conversa com mulheres pretas e indígenas das artes

Falamos tanto em impacto social, ambiental… Mas e o impacto das artes? A atividade vai trazer uma reflexão sobre o tema, a partir do olhar de mulheres potentes que tiveram suas vidas transformadas por meio das artes. Nossas convidadas especiais serão as indígenas Eunice Baía, embaixadora da Arte Salva, atriz e designer e Zahy Guajajara, atriz e poeta; além da atriz Kizi Vaz, mulher preta da baixada, integrante do Grupo de Teatro Nós do Morro e que hoje também tem um projeto social, o Curta Arte Caxias.

 

Participantes:

Mediação: Karina Duarte.

Karina Duarte nasceu na famosa terra das artes, em Embu das artes, em São Paulo – concilia sua carreira de atriz ao desafiante dia-dia do projeto social @aartesalva – da qual é idealizadora e fundadora – que ampara crianças da Favela 4 rodas, no antigo lixão de Jardim Gramacho, e permite que todas elas conheçam e se conectem verdadeiramente com as artes de uma maneira geral.

Aos 19 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro. Em 2006, foi morar no Morro do Vidigal e entrou para o Grupo de Teatro Nós do Morro, que mostrou a ela como a arte acessível pode impactar a vida das pessoas.

No teatro, trabalhos como, “Forró de Tranquilino” – obra inspirada na Literatura de Cordel, com direção de Luiz Assis Monteiro, é destaque. Já com o grupo Nós do Morro, atuou em montagens como, “Auto da Compadecida” e “Vozes do Mundarel”, montagem das obras de Plinio Marcos, com direção de Dado Amaral. Chegou às telonas pelo premiado longa austríaco, ‘”Universalove”, do diretor Thomas Woschits. Com uma performance marcada pela variedade de experiências e linguagens de interpretação, se entregou ao processo criativo de “Sarau Mameluco” ao lado de Hammir Hadaad, Ferreira Gullar, Dira Paes e grande elenco, sob direção de Katia Brito. Em 2015, participou da série “Mais Vezes Favela” do canal Multishow – Ano que também  criou seu projeto Arte Salva, no Jardim Gramacho, antigo Lixão do documentário do artista Vik Muniz. Em 2016 participou do Documentário Cena Rio da ONU sobre empreendedorismo sustentável no Rio através de seu projeto “A Arte Salva”: A iniciativa de mobilização é do Centro RIO+ e é um modelo a ser replicado nos 166 países onde atua o Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD). Em 2018 Karina deu aulas na Escola Vidigal de Alfabetização Teatral e linguagem do cinema, e elas serviram como laboratório para o seu próprio projeto. Ela educa e transforma a vida de crianças com mais representatividade empoderamento. Assim, elas aprendem como se expressar, para viver o melhor de suas realidades. Em 2018 participou – Documentário Internacional Eating Our Way to Extinction (narração atriz Kate Winslet)  e em 2019 voltou a atuar no Longa Buraco no peito do diretor Marcus Faustini.

Karina Duarte já participou de exposições e palestras sobre representativa indígena, ela é ascendente do povo Puri. Trabalhou como assistente de preparação de elenco do Sérgio Penna, auxiliando a atriz Carla Diaz para o personagem Carine, na novela Força do querer, e demais atores em processo de criação em workshops, arina constantemente faz pesquisas sobre “ mulheres do tráfico “

Eunice Baía

Eunice Baía, hoje uma mulher de 30 anos, mãe e representante de suas raízes. Ficou conhecida no Brasil por ter sido a protagonista do filme Tainá uma Aventura na Amazônia e encantar todos com sua cultura. Além de aparecer nas telonas como Tainá, também interpretou Maíra em Sitio do Pica Pau Amarelo em 2002, em 2007 interpretou Ayani em Amazônia de Galvez e Chico Mendes, em 2009 interpretou Lucinha em As Verdades Temporárias e em 2011 interpretou Ana em Aguasala, após toda sua trajetória como atriz se formou em Designer de Moda, atualmente trabalha como Coordenadora de Figurino do Balé da Cidade de São Paulo, tem sua própria marca chamada OKA – Raízes de uma paraense, e também é embaixadora da Arte Salva.

Kizi Vaz

Integrante do famoso grupo artístico “Nós do Morro”, do Vidigal/RJ desde 2006, foi protagonista no espetáculo “Bandeira de Retalhos”, de Guti Fraga e Fátima Domingues, com temporadas no Rio de Janeiro, São Paulo e Portugal; este foi o trabalho que lhe abriu às portas na maior emissora do país.

Na teledramaturgia, todas pela TV Globo, vieram suas personagens de maiores destaques como: em Babilônia(2015) onde fez aGabi, esposa dedicada e traida pela personagem de Thiago Martins; a traficada Luana em Salve Jorge(2014) de Glória Perez e a insana Nanda de Rocky Story (2017).

Fez séries de televisão, onde viveu comédias e dramas como em Desenrola Aí (2011) e Mais Vezes Favela (2014), ambas do Multishow.

Sua estreia no cinema se deu em 2017, em “Bandeira de Retalhos”, com direção de Sérgio Ricardo, texto do espetáculo que virou longa metragem e percorreu todo o circuito de Festivais de Cinema no Rio de Janeiro.

Em 2018 filmou o longa metragem “A Suspeita”, que tem estreia prevista para 2020.

Atualmente é a Suelen, na série “ILHA DE FERRO”, com direção de Afonso Poyart, na TV Globo, que já está na sua segunda temporada, e que pode ser assistida a qualquer momento na GloboPlay. Assista!

Além da atriz, Kizi Vaz é engajada em movimentos beneficentes do Morro do Vidigal e ainda leva, anualmente, à comunidade de Duque de Caxias, um dia de atendimento à população carente, regado a várias atividades de arte, cultura e educação com o seu projeto o @cea_rj

Zahy Guajajara

Zahy Guajajara, 31 é do povo Tenetehara-Guajajara, nascida e criada na Aldeia Colônia, Reserva Indígena Cana Brava no Maranhão. Aos 19 anos saiu pela primeira vez de sua terra para morar no Rio de Janeiro, onde se tornou uma das lideranças e porta-vozes da Ocupação Indígena Aldeia Maracanã, antigo museu do índio ameaçado de demolição durante as obras da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro.

Foi na aldeia maracanã que teve sua primeira experiência como artista, dirigida por Felipe Bragança, no curta ‘’Zahy, uma fábula sobre a Aldeia Maracaña’’ em 2013.

Zahy é um rio que corre entre mundos, ‘’Artvista’’ genuína e autodidata. Acredita que a arte tem o poder de comunicar e transformar, por isso se expressa através dela para defender causas indígenas e ambientais, é uma artista plural. Se comunica na sua primeira língua, o Ze’eng eté dialeto do tronco tupi-guarani e em português.

De 2013 a 2020, seus principais trabalhos como atriz foram na mine-serie ‘’Dois Irmãos’’, da Tv Globo com direção de Luiz Fernando Carvalho – 2015. No cinema, estreou no longa ‘’Não Devore meu coração’’com direção de Felipe Bragança – 2017. E no teatro, com a companhia Barca dos Corações Partidos, onde atuou no espetáculo ‘’Macunaíma Uma Rapsódia musical’’ com direção de Bia Lessa – 2018-2019.

Atividade realizada em parceria com o projeto A Arte Salva* – http://www.aartesalva.com

A arte salva é um projeto social que, desde de julho de 2015, ampara crianças do Jardim Gramacho, localizada no antigo maior lixão da América Latina – em Duque de Caxias – e, através do amor pela arte, promovendo aulas de artes plásticas, nos desafiamos a acreditar que o futuro é uma janela de possibilidades aberta para todos. Atualmente, com um acervo com 400 obras produzidas pelos  jovens artistas e seguindo o sonho de ter um espaço físico para receber, estruturar, integrar e amparar nossas crianças em nossa sede oficial

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

14:00 . 15:00 [Serviço de Preta] Workshop: Viabilização de Projetos Sociais - Realizando Sonhos Coletivos

[Serviço de Preta] Workshop: Viabilização de Projetos Sociais - Realizando Sonhos Coletivos

27/07/2020 14:00 - 15:00
+ Google Agenda   + Outlook

Viabilização de Projetos Sociais com Iara VicenteConteúdo do Workshop:Como transformar uma grande ideia em realidade no menor tempo possível? Conheça a metodologia da Nossa Terra Firme para construir alternativas criativas e transformadoras viáveis no contexto Latino-Americano. Nossa estratégia de incubação tem por objetivo ajudar iniciativas transformadoras a “por o bloco na rua” o mais rápido possível. Para isso, contamos com as tecnologias sociais e lições aprendidas nos movimentos sociais amazônicos, educação executiva, aceleradoras de inovação e experiência em gestão para inspirar a gestão dos recursos vários: tempo, amizades, contatos profissionais, finanças e conhecimento.

Facilitadora: Iara Vicente – Natural da Amazônia, fundadora da Empresa de Consultoria Estratégica Nossa Terra Firme. Bacharel em Ciências Sociais com Habilitação em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB – DF), Mestre em Administração Pública em Ciência e Política Ambiental pela Columbia University (CU – NYC) e agraciada com o prêmio de Talento Global para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável pelo UNLEASH Innovation Lab (Denmark).

Conteúdos:

#1- Delineando o Sonho 
- Parâmetros a se considerar durante a construção do propósito

#2 – Construindo Credibilidade
 – Como passar confiança para parceiros que podem investir em seu sonho

#3 – Além do Dinheiro 
- O papel das soluções disruptivas para construir as soluções que você precisa

#4 – Dominando a Narrativa
 – Como a estrutura organizacional influencia na sua habilidade de se posicionar enquanto um projeto/empreendimento viável

#5 – Preparando-se para o Sucesso – 
Recursos online para auto-educação — Preparando-se para ganhar escala

Atividade realizada em parceria com a Empresa de Consultoria Estratégica Nossa Terra Firme* http://www.nossaterrafirme.com

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

15:00 . 16:00 [Serviço de Preta] Aprimorando negócios de impacto social, com Dalva Regina, Ubuntu Cuidadoria

[Serviço de Preta] Aprimorando negócios de impacto social, com Dalva Regina, Ubuntu Cuidadoria

27/07/2020 15:00 - 16:00
+ Google Agenda   + Outlook

Aprimorando negócios de impacto socialVocê sabia que sua atividade provavelmente tem potencial para ser um negócio de impacto social? E que a economia do novo século se preocupada cada vez mais com esse tipo de investimento? As práticas de inovação social surgem para dar conta dos vários saberes, modos de fazer, ferramentas e modelos que surgem do coletivo e produzem para o coletivo melhores soluções para os problemas sociais. Venha conferir algumas dicas de prototipação de ações de impacto.

Dalva Santos é gestora em Inovação Social e Cultura e fundadora da Ubuntu Cuidadoria empresa do setor 2.5 cuja vocação é promover inovação social a serviço da equidade. Mestra em Sociologia, Bacharel em Produação Cultural e especialista na Gestão em Inovação Social.

Atividade realizada em parceria com a Ubuntu Cuidadoria* @ubuntu.cuidadoria

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

16:00 . 17:00 [Serviço de Preta] Innovator’s DNA Priscila Gama – Das Pretas.org (ES)

[Serviço de Preta] Innovator’s DNA Priscila Gama – Das Pretas.org (ES)

27/07/2020 16:00 - 17:00
+ Google Agenda   + Outlook

Innovators DNANa maioria das vezes, os diálogos sobre tecnologia e inovação são distanciados das pessoas pretas e das periferias das cidades, ao tempo em que falar de inclusão e diversidades é ciência exata na busca por inovação e resultados exponenciais. Nossas Wakandas são decodificadas e transformadas em algorítimos e terminologias que orientam diálogos em mesas em que não estamos presentes. Se somos nós a diversidade e nossas tecnologias contemporâneas e ancestrais são palco de tanta motricidade, nada mais justo do que absorver esse INNOVATOR DNA nas nossas dinâmicas pessoais e profissionais, não é mesmo?  É papo de presente, é sobre tecnologia e também é sobre feitiçaria, que aliás, é tecnologia, você sabia?

A atividade vai ter como facilitadora Priscila Gama, Estrategista de Inovação em Tecnologia Social,  Mestranda em Sociologia Política, coordenadora de diversos projetos de inovação construídos sob as lentes da inclusão, igualdade e potencialização de territórios periféricos. Priscila Gama é CEO do Das Pretas.Org e do Bekoo Das Pretas.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

17:00 . 19:00 [Serviço de Preta] Processos criativos e estratégias para o seu projeto, com Caroline Moreira, Negras Plurais (RS)

[Serviço de Preta] Processos criativos e estratégias para o seu projeto, com Caroline Moreira, Negras Plurais (RS)

27/07/2020 17:00 - 19:00
+ Google Agenda   + Outlook

Processos criativos e estratégias para o seu projetoUma workshop sobre processos criativos, em que a facilitadora vai falar sobre quebra de crenças limitantes, preparação para pich e posicionamento de marcas. Na construção de um projeto, saber identificar e comunicar missão, visão, valores e contrapartidas.

Caroline Moreira é mentora, palestrante e consultora de negócios.  Formada em Ciências Contábeis e pós graduada em Filosofia e Autoconhecimento. Criou, em Porto Alegre, a Três Tons de Preto, produtora cultural independente que atuava na promoção de eventos voltados para a comunidade negra e na transformação de pessoas negras em potências culturais e protagonistas sociais.   Em 2018 criou o Negras Plurais, aceleração de negócios de mulheres negras. Caroline Moreira também é curadora e gerente de projetos do Canal Preto, criado pelo Ministério Publico do Trabalho. Em 2019 foi facilitadora do AFrolab Para Elas (Instituto Feira Preta).

Durante a crise do COVID o Negras Plurais se uniu a Feira Preta (maior feira de empreendedorismo negro da America Latina) e Criola Criativa (Marca de acessórios que busca resgatar a cultura Afro-Brasileira.).  Juntas elaboraram o projeto afromascaras –voltado para empreendedoras negras que produzem mascaras no Brasil durante o período da pandemia. De maneira voluntaria, fizeram a divulgação nas redes e captação de recursos e insumos para produção das mascaras, gerando trabalho e renda para mulheres.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

19:00 . 20:00 [Serviço de Preta] Tá bom pra você?

[Serviço de Preta] Tá bom pra você?

27/07/2020 19:00 - 20:00
+ Google Agenda   + Outlook

Tá bom pra você - Kênia Maria

 

A roteirista e atriz Kênia Maria fala sobre a volta da nossa querida websérie “Tá bom pra você?”, criada por ela e sua filha a atriz Gabriela Dias , com o objetivo de recriar peças publicitárias e propor a criação de novas imagens. A nova temporada será comandada Érico Brás e Kenia Maria.

 

 

 

 

 

Kênia Maria

  • Atriz, escritora, palestrante e Ialorixá.
  • Criadora e roteirista da primeira web série protagonizada por negros no Brasil  o “Tá Bom Pra Você? “
  • Defensora das Mulheres negras da ONU Mulheres.
  • Vencedora do prêmio Faz diferença jornal o Globo.
  • Lista dos 100 negros mais influentes do mundo, segundo o Mipad, a premiação mundial para afrodescendentes chancelada pela Onu.
  • Colunista da Vogue gente.

Prêmios:

  • Orilaxé grupo cultural afroreggae 2001
  • Troféu raça 2015 pela faculdade Zumbi dos Palmares
  • Empregue Afro 2016
  • Prêmio Almirante Negro João Cândido Assembleia Legislativa do Estado (ALERJ). 2013

20:00 . 21:00 "Eu quero voar. Escrever meu enredo" - bate-papo com Larissa Luz

"Eu quero voar. Escrever meu enredo" - bate-papo com Larissa Luz

27/07/2020 20:00 - 21:00
+ Google Agenda   + Outlook

Eu quero voar - Bate Papo com Larissa Luz

 

Na noite de encerramento do Festival Latinidades, Larissa Luz – uma das artistas mais inspiradoras do nosso tempo – nos dá a alegria de um bate-papo-musical sobre suas escrevivências, sonhos e caminhos trilhados a partir de utopias negras. Com a mediação da cantora e compositora brasiliense Moara, Larissa fala de seus vôos e enredos de artista negra, pra provar que sonhar pra nossa gente já faz parte de viver.

 

 

Larissa Luz

  • Cantora, compositora e atriz, Larissa Luz vem se tornando uma grande representante da música negra contemporânea da Bahia com projeção nacional.
  • Com Território Conquista Larissa recebeu o Prêmio Caymmi e indicações ao Grammy Latino e ao Prêmio da Música Brasileira.
  • Sua atuação como Elza Soares no musical sobre a cantora — do qual também é codiretora musical, recebeu o Prêmio Bibi Ferreira de Melhor Atriz em Musicais.
  • Em Trovão, seu novo disco, Larissa canta, sobre estética afrofuturista e bases eletrônicas, uma Bahia que define como uma metrópole que tem conexão com a terra.
  • Em Trovão, Larissa constrói um ritual baile que propõe conexão do sublime com o terreno, atualizando mitos yorubás e conduzindo um encontro entre som e movimento na pista
  • Larissa já circulou por alguns dos principais Festivais Musicais do Brasil a exemplo do Coala, Se Rasgum, Rec Beat, Mada, Bananada e Radioca.

21:00 . 21:30 Show Majur

Show Majur

27/07/2020 21:00 - 21:30
+ Google Agenda   + Outlook

MajurMajur, a nova voz baiana. Apontada como a nova geração da cena musical brasileira, traz uma diversidade presente no seu trabalho, em uma crescente carreira. Sua nova música de trabalho “20ver” – lançada em agosto de 2019 – reforça sua identidade plural e canta o amor de uma forma múltipla com suingue do afro-pop celebrando os encontros. Em estúdio, Majur prepara seu próximo álbum, com previsão de lançamento para 2020. Revelada ao mundo pelos olhos de Caetano Veloso, a artista foi destaque no carnaval de Salvador deste ano, se apresentando nos trios elétricos de Daniela Mercury, Psirico e no Camarote Expresso 2222.

A diva black se apresentou no Rock in Rio 2019, ao lado de Emicida cantando “Amarelo” – faixa do novo álbum do rapper, com a participação de Pabllo Vittar. Majur também foi uma das atrações do badalado Baile da Vogue de 2019 e na Virada Cultural de São Paulo, onde se apresentou ao lado do rapper Hiran.

Inspirada em James Brown, Tim Maia e Fat Family, Majur faz uma MPB contemporânea, com toques alternativos, que mistura soul, manipulação tecnológica e claves de matrizes africanas para falar de amor, do cotidiano e de si mesma.

Onde acessar: Canal Afrolatinas Youtube http://www.youtube.com/afrolatinas

Espaço Infantil – Pretinhosidades

14:00 . 15:00 Oralidades e brincadeiras de matrizes africanas - Malego Lalá

Oralidades e brincadeiras de matrizes africanas - Malego Lalá

22/07/2020 14:00 - 15:00
+ Google Agenda   + Outlook

Latinidades e Pretaria BlacKids se juntaram para realizar o projeto Pretinhosidades, elaborado pelo Grupo Editorial Pretaria BlackBooks e Aflorarte Produções. Todos os dias, de 22 a 27 de julho, vão acontecer diversas atividades voltadas para crianças, com muita arte, cultura, diversão e literatura de autoria negra. Confira a programação, que vai ser toda transmitida pelo instagram @pretariablackids.

Oralidades e brincadeiras de matrizes africanas – Malego Lalá

“O objetivo da oficina é, através das linguagens brincantes, buscar compreensão dos códigos alicerçais e estimular as conexões com os sagrados, coletivamente. Experimentar as formas de aprendizados no modo de brincar africano e a força da ancestralidade, com brincadeiras para combater o racismo e solucionar problemas”

Malego Lalá é filha da Mara, mãe,  jovem jongueira de Axé, brincante griô, catadora de materiais recicláveis, bonequeira, bailarina, atriz, compositora, pandeirista e aromaterapeuta. Bacharela em humanidades pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB – Malês). Graduanda em licenciatura plena em  pedagogia, pela UNILAB Malês.

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)*

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

10:00 . 11:00 Yoga Para Mães e Filhos - Gabi Moreno

Yoga Para Mães e Filhos - Gabi Moreno

23/07/2020 10:00 - 11:00
+ Google Agenda   + Outlook

“A oficina irá utilizar recursos do Yoga como prática de conexão entre adultos e crianças, buscando co-criar ritmos respiratórios e movimentos que abram espaços para o contato com o corpo, com as emoções e com a subjetividade de cada um, gerando condições para que um olhar gentil e amoroso para consigo e para com o outro possam surgir”.

Gabriela Moreno dedica-se ao estudo e pesquisa da não-violência e autonomia no cuidado com a saúde da mulher. É mãe, Doula, professora de Yoga e terapêuta ayurvédica.  Graduanda em Obstetrícia pela Universidade de São Paulo, acompanha mulheres em seus processos de gestar, parir e maternar.

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)*

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

14:00 . 15:00 Contação de História “de Boca” de Tradição Oral - Giselda Perê

Contação de História “de Boca” de Tradição Oral - Giselda Perê

23/07/2020 14:00 - 15:00
+ Google Agenda   + Outlook

“Agbalá Conta é uma cabaça encantada que guarda as histórias da nossa ancestralidade preta africana e preta brasileira. Após ser agradada a cabaça se abre nos entregando sabedorias e belezas da nossa herança cultural.”

Giselda Perê é Mestra em Arte / Educação, Artista, Educadora, Narradora de Histórias no Núcleo Agbalá Conta @agbalaconta que pesquisar como histórias das culturas tradicionais pretas e transformar em narrativas e treinamento para artistas e professores.

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)*

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

10:00 . 11:00 A capoeira na Construção das Identidades - Haydée Paixão – Aflorarte Produções

A capoeira na Construção das Identidades - Haydée Paixão – Aflorarte Produções

24/07/2020 10:00 - 11:00
+ Google Agenda   + Outlook

“O objetivo da Oficina é promover o reconhecimento da Capoeira enquanto episteme de fortalecimento da identidade quando praticada por pessoas negras, descendentes de africanas e africanos escravizados, neste território que foram as que deram nascimento à esta arte que hoje está no mundo. Nasceu nos nossos quintais e terreiros, carrega o ritual das religiões de matrizes africanas, a proteção e defesa de uma cultura e de conhecimentos ancestrais criminalizados. A luta pela liberdade do espírito contra o cativeiro e a escravidão que também é dança e ginga.”

Haydée é discípula de Mestre Pinguim do Núcleo de Artes Afrobrasileiras, Grupo Guerreiros e Guerreiras de Senzala, linhagem de Mestre Gato Preto de Santo Amaro da Purificação.

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)*

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

14:00 . 15:00 Encontro com a Autora do Livro Coração do Mar - Escritora, Ilustradora e Arte Educadora Ana Carolina Fernandes

Encontro com a Autora do Livro Coração do Mar - Escritora, Ilustradora e Arte Educadora Ana Carolina Fernandes

24/07/2020 14:00 - 15:00
+ Google Agenda   + Outlook

Carol Fernandes é Escritora, Ilustradora e Pedagoga com formação complementar em Educação Social, nascida em Belo Horizonte, Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Durante a sua formação acadêmica integrou projetos de pesquisa e extensão relacionados à promoção do letramento literário na primeira infância, critérios de qualidade para a composição de um acervo diverso e práticas de leitura e contação de histórias com bebês e crianças. Atuou como professora na etapa da Educação Infantil, onde pôde desenvolver projetos que articulam cultura, artes visuais e literatura a temáticas relacionadas às identidades raciais, sociais e de gênero das crianças.

Escreveu e ilustrou a poesia visual “Mulheres que guardo em mim”, publicada de maneira independente e, também, o livro ilustrado Coração do Mar, lançado em parceria com a crivo editorial.

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)*

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

10:00 . 11:00 Encontro com a Mafalda Pequenino - atriz e apresentadora do Quintal da Cultura

Encontro com a Mafalda Pequenino - atriz e apresentadora do Quintal da Cultura

25/07/2020 10:00 - 11:00
+ Google Agenda   + Outlook

“O Mar que banha a Ilha de Goré” de Kiusam de Oliveira – faremos o caminho inverso das viagens empreendidas pelos africanos escravizados, a partir do século  XVI. Com a princesa Kika, mergulharemos no manto verde jade da Mãe Mar e conheceremos uma terra rica e cheia de histórias”.

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)*

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

10:30 . 11:30 Leitura do Livro Tainá - das Escritoras Ayana e Cristiane Sobral

Leitura do Livro Tainá - das Escritoras Ayana e Cristiane Sobral

26/07/2020 10:30 - 11:30
+ Google Agenda   + Outlook

“A menina Tainá vive feliz em um país tão pequeno quanto um estádio de futebol onde estão plantadas algumas das flores mais lindas do planeta, mas a humanidade em crise enfrenta momentos de devastação. Tainá, com seu espírito guerreiro, e lutará para preservar a vida do lugar onde habita com o apoio da sua família e de sua flor preferida, a Afeniceofanis. Uma história encantadora com um final que emociona para ler e reler até a próxima leitura! Lançado em 2018 com Ilustrações de Maria e Direção de Arte Ricardo Caldeira Autoria Ayana Sobral e Cristiane Sobral”

14:00 . 15:00 Leitura Coletiva com Pretinhas Leitoras - Educadora Elen Ferreira

Leitura Coletiva com Pretinhas Leitoras - Educadora Elen Ferreira

26/07/2020 14:00 - 15:00
+ Google Agenda   + Outlook

Eduarda, Helena e Elisa Ferreira são irmãs, Estudantes e apresentadoras do Canal Pretinhas Leitoras. A iniciativa objetiva a construção de uma sociedade justa, que garanta o acesso à educação e cultura do povo negro e resgata esses saberes através da literatura negra. Eduarda e Helena são gêmeas e têm 11 anos. Elisa é a mais nova do time e tem 6 anos. Equipe Pedagógica e Técnica: Elen Ferreira – Produção: Cintia Sant’Anna

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)*

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

10:00 . 11:00 Encontro com O Pequeno Príncipe Preto - ator e Roteirista Júnior Dantas

Encontro com O Pequeno Príncipe Preto - ator e Roteirista Júnior Dantas

27/07/2020 10:00 - 11:00
+ Google Agenda   + Outlook

Transmissão: Instagram @pretariablackids

“Será um momento de muita alegria e descontração para toda a família. Um misto de atividades para as crianças, onde O Pequeno Príncipe Preto fará um bate papo sobre a obra e ensinará como produzir os adereços cênicos que serão usados na sua contação de estória”.

Junior Dantas é ator e jornalista. Em 2020, recebeu o Prêmio Ubuntu de Cultura Negra como Melhor Ator e de Melhor Narrativa, pela obra original, argumento e criação do espetáculo O Pequeno Príncipe Preto, que foi exibido em mais de 30 cidades do Brasil, para mais de 65 mil espectadores. É uma obra de muita representatividade, que fala de forma lúdica sobre a beleza e a riqueza da cultura negra, das diferenças, do amor, da filosofia Ubuntu e de ancestralidade.

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

14:00 . 15:00 Pocket Show com Tina

Pocket Show com Tina

27/07/2020 14:00 - 15:00
+ Google Agenda   + Outlook

“Nesta apresentação virtual ao público infantil, Tina vai mostrar um repertório de encanto: o pertencimento à mãe natureza, o cuidado com os que vieram antes e a transmissão de ancestralidade serão tema das canções.

Tina está se formando em Antropologia e hoje é uma das vozes presentes na irradiação da musicalidade e cultura afro brasileira. Com o violão e algum instrumento feito por ela, vai levar suas canções para animar a tarde das crianças negras e do público em geral”.

Atividade realizada em parceria com a Pretaria Black Kids (ES)

Onde acessar: Canal Pretaria Black Kids, Instagram @pretariablackids

x